Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

Lobas I

«O título do livro - "Mulheres que correm com os Lobos - Mitos e histórias do arquétipo da Mulher Selvagem" - foi inspirado nos meus estudos sobre a biologia de animais selvagens, em especial os lobos. Os estudos de lobos Canis Lupus e Canis Rufus são como a história das mulheres, no que diz respeito à sua vivacidade e à sua labuta. Os lobos saudáveis e as mulheres saudáveis têm certas características psíquicas em comum: percepção aguçada, espírito brincalhão e uma elevada capacidade para a dedicação. Os lobos e as mulheres são gregários por natureza, curiosos, dotados de grande resistência e força. São profundamente intuitivos e têm grande preocupação para com as suas crias, os seus parceiros e sua matilha. Têm experiência em se adaptar a circunstâncias em constante mutação. Têm uma determinação feroz e uma extrema coragem.
No entanto, as duas espécies foram perseguidas e acossadas, sendo-lhes falsamente atribuído o facto de serem trapaceiros e vorazes, excessivamente agressivos e de terem menor valor do que os seus detractores. Foram alvo daqueles que preferiam arrasar as matas virgens, bem como os arredores selvagens da psique, erradicando o que fosse instintivo sem deixar que dele restasse nenhum sinal. A actividade predatória contra os lobos e contra as mulheres, por parte daqueles que não os compreendem, é de uma semelhança surpreendente.
Todas nós, mulheres, temos anseio pelo que é selvagem.
Existem poucos antídotos aceites pela nossa cultura para esse desejo ardente. Ensinaram-nos a ter vergonha desse tipo de aspiração. Deixamos crescer os cabelos e usamo-los para esconder os nossos sentimentos e a nossa essência mais profunda. No entanto, o espectro da mulher selvagem ainda nos espreita, de dia e de noite. Não importa onde estejamos, a sombra que corre atrás de nós tem, decididamente, quatro patas.»

(Clarissa Pinkola Estés, in "Mulheres que correm com os Lobos")
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 00:39
link do post
11 comentários:
De manuel teixeira a 20 de Setembro de 2007 às 10:31
A rapidez com que produzes e afixas Entradas é estonteante, Ana. Qual delas a mais interessante.
Ainda agora acabei de afixar Comentário à Entrada antecedente e já aqui estou confrontado com nova Entrada.
Assunto fascinante sobre o qual poderia aqui ficar todo o dia a conversar, mas para já apenas quero ir à FNAC comprar o livro antes que esgote...
Fui.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

Fado literário

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 18 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds