Quarta-feira, 22 de Julho de 2009

Sou sincera

Rita Ferro

 

Como se resiste a uma «mulher-mulher»?

 

Bell, numa cedência ao consumo

 

 Ainda sem papéis de relevo, Lake Bell é, na minha opinião,

uma das actrizes mais giras da actualidade.

Porquê? Talvez por ser de carne e osso e não de celulóide,

ser graficamente dotada, ter charme – que não se compra nem se opera - 

e uma voz irresistível.

Além disso, é feliz, espontânea e luminosa como uma miúda

e diabolicamente tentadora como toda a fêmea. 

A beleza corrompe?

A leveza pode ser um afrodisíaco?

O desejo ensina o que o homem ainda é?

Não, não vamos discutir isso,

mas responder com a isenção possível

a esta pergunta tão ociosa quanto gasta, irritante, pequeno-burguesa:

 

Haverá hipótese de alguma mulher,

 mesmo de qualidade,

estar sossegada com um exemplar destes

 rondando o seu homem?

 

1. Bell, entrando no Letterman

 

2. Bell, naturalmente em entrevista


 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 07:30
link do post
191 comentários:
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 11:56
... não é?!
Às vezes acho que 'não existo'...
Não é normal, querer tanto bem a alguém que..., bem, pronto.
Mas ele é um DEUS!!!!
Ai, boboca de rapariga, assim não vais lá!...
Sou muito susceptível a neurónios, essa é que é essa...
Por alguma razão sempre gostei de homens menos bonitos (pronto, a palavra certa é mesmo feios), ms a esbanjar um 'je ne sais quoi', um charme, uma 'electricidade'...
Ai...
Coisas passadas, estas, que o tema de hoje - a despropósito, até - veio exumar...
Ele.
Versão minha do 'She' do Aznavour, conhecem?
Assim mesmo, passe o tempo que passar, suceda o que suceder, venha quem vier.
Ele será sempre a 'grande paixão'.
Ainda bem que não lê este tipo de blogues.
Mas ele sabe.
E ela também.
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 12:22
Chamar Deus a um homem é o Novo Testamento em versão amorosa, Margarida! Mantém a palavra ou quer repensar? LOL
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 12:28
E desde quando os enamorados têm juízo?!
'deus' é isso; coisa minusculamente desmesurada.
eu sei bem das limitações..., das alhas, das faltas e dos erros.
E gosto na mesma.
E é 'supremo', mesmo assim.
Passaram-se meses e meses e meses e...
E já o adorava anos antes de o conhecer.
Em tempos que nem imaginava vê-lo, quanto mais... o resto!
"O resto" foi a humanização desse 'olimpo' e a sedimentação do afecto profundo.
Admiração, respeito, carinho e desejo.
E raiva.
Que belo composto alquímico, não!?
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 12:49
Tchhhhh..... Não o conquistes nunca, não? Transforma-se em sal. Sabes disso, não sabes?
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 13:00
Conquistei.
Amei.
Fui amada.
Levitei e nunca me arrependerei de nada.
Transformou-se em nuvem.
Uma forma salina de ser.
(obrigada pelo conselho, mas nunca o poderia seguir..., mesmo que tivesse sido a tempo. Inevitabilidades factuais. A força do destino. O desvario da paixão, ah, tudo junto, fazer o quê?!... Há lá juízo, quanto mais razão...)
Paga-se tudo.
Sobretudo o belo e o bom.
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 13:06
Não entendeste: tiveste-o, gozaste-o, mas ele partiu e transformou-se em nuvem. Isso significa que não o conquistaste realmente. Por isso podes continuar a amá-lo desvairadamente como ainda fazes. Fiz-me entender?
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 13:12
Shimmmmmmm...
é verdade...
não conquistei de facto.
isso devasta!
Hmmmm
Fica guardadinho nas memórias e lateja nas veias, mas não passa de recordação, de facto...
Que seja tão feliz quanto o desejo para mim.
Nunca desejei nada além disso.
E assim é que é, se realmente queremos bem a alguém.
Não é treta: é facto.
O resto são orgulhos feridos e coisas mal resolvidas.
Ou desamores ferozes.
Ou equívocos.
Amar é, por definição, querer bem.
Por isso, quando o leio sorrios empre e é um reencontro.
Está comigo e nem sabe.
"é meu", de uma forma... minha.



De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 13:52
Vitória, Margarida! Nada há pior do que o azedume! E creio que compreendeste bem o Amor, é mesmo isso! Palmas para a Margarida, que sabe amar! Beijos e abraços e mimos, merece todos :-))
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 13:56


..ó pra vocês:

http://criativemo-nos.blogspot.com/2009/07/rita-ferro-e-ana-vidal.html

Para acompanhar o cafézito da tarde, como se fosse um macaron musical...

Vive l'amour!
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 14:02
Já lá fui, obrigada pela ternura! Ah, é verdade, e percebi tudo!! LOL
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2009 às 14:55
Clap, clap, clap.
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 15:16
'Tás-me a gozar, ó Ana??? LOL
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2009 às 16:45
Nada disso... tou a bater palmas à Margarida, que as merece! :-)
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 17:45
Ahhhh....
De mike a 22 de Julho de 2009 às 19:06
Ela está a gozar-te, Rita!
De rita ferro a 22 de Julho de 2009 às 19:09
Será? Tu queres ver...
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2009 às 12:56
Tudo o que há de mais estimulante, lá isso é verdade! A raiva é um ingrediente perigoso, bem sei, mas tem a virtude (ou o veneno) de manter viva a chama.

Engraçado... disseram-me isso há poucos dias ("amava-te antes de te conhecer") e foi das frases mais bonitas que alguma vez ouvi. Com um homem que nos diz coisas destas, quem é que quer saber dos galãs de cinema??
De Margarida a 22 de Julho de 2009 às 13:02
Amei anos, antes de conhecer.
E ficaria feliz assim.
Mas a sua teimosia e depois, aquela garotice que os infantes sempre esbanjam...
Brincar com o fogo!
Queimamo-nos.
Foi um lindo incêndio, porém!
Aleluia!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

Fado literário

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos de Passagem


Subscrever feeds