Sábado, 2 de Agosto de 2008

Respirar

Encontrei este belíssimo texto no Miniscente, do Luís Carmelo. A qualidade é a de sempre, no que diz respeito ao que por ali se lê. Mas estas palavras tocaram-me especialmente, por tê-las descoberto hoje. Ofereço-as a dois amigos que estão de partida para África, ficando a torcer (com uma pontinha de inveja, confesso) para que se sintam exactamente assim enquanto estiverem por lá.

 

 

"Primeira Respiração"

 

"Estou em África.
 
O ar é maior, enche-me o peito com uma força que me ultrapassa. Há uns dias, quando menos esperava, senti-me a descalçar. E andei. Andei com os pés dentro da terra, num passo arrastado, demorado, sem forma conhecida. Não sabia que podia entrar assim no mundo. O céu é maior…mas não nos esmaga. Preenche todos os espaços. É mais do que cor, mais do que uma ilusão. Há uns dias, quando menos esperava, deitei-me sem tecto. E ouvi. Cada estrela, cada cheiro. Descobri. Que aqui o céu tem… som.
 
Se eu fosse uma árvore era África. Ou um animal. Ou uma pedra. Era África. Seria o meu próprio início. Acho que é verdade."
 

 

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 20:06
link do post
14 comentários:
De Rita Ferro a 3 de Agosto de 2008 às 13:22
Eu não preciso de países, Ana. Preciso de amigos, de dinheiro para fazer o que me apetecer e ajudar quem me comova, e de ninguém à minha volta a chatear-me. Esta é a súmula. O resto vou inventando para me aceitarem, me amarem quando doer muito, no Inverno, e não morrer num lar com uma brutamontes a lavar-me as partes e a contar anedotas ao mesmo tempo e, sobretudo, com pena de mim mesma.
De Ana Vidal a 3 de Agosto de 2008 às 13:30
Hesito entre a lágrima e a gargalhada ao imaginar-te na cena da lavagem, no lar... pobre da brutamontes que se atreva a tal, vai arrepender-se para o resto da vida...
LOL (escolhi a gargalhada, pronto!)

Beijo!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

Fado literário

O triunfo dos porcos

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Subscrever feeds