Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

Bicicletas II

Na minha bicicleta de recados
eu vou pelos caminhos.
Pedalo nas palavras atravesso as cidades
bato às portas das casas e vêm homens espantados
ouvir o meu recado ouvir a minha canção.
Na minha bicicleta de recados
eu vou pelos caminhos.
Vem gente para a rua a ver a novidade
como se fosse a chegada do João que foi à Índia
e era o moço mais galante que havia nas redondezas.
Eu não sou o João que foi à Índia
mas trago todos os soldados que partiram
e as cartas que não escreveram
e as saudades que tiveram
na minha bicicleta de recados
atravessando a madrugada dos poemas.
Desde o Minho ao Algarve
eu vou pelos caminhos.
E vêm homens perguntar se houve milagre
perguntam pela chuva que já tarda
perguntam pelos filhos que foram à guerra
perguntam pelo sol perguntam pela vida
e vêm homens espantados às janelas
ouvir o meu recado ouvir a minha canção.
Porque eu trago notícias de todos os filhos
eu trago a chuva e o sol e a promessa dos trigos
e um cesto carregado de vindima
eu trago a vida na minha bicicleta de recados
atravessando a madrugada dos poemas.
(Manuel Alegre)

Ennio Morricone - Il Postino

Nota: Est post foi modificado. Os Queen e a sua Bicycle Race ficam para a próxima. Il Postino, de Ennio Morricone, vem mais a propósito para este belo poema, oferecido pelo meu amigo MC.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 15:54
link do post
9 comentários:
De ana vidal a 1 de Setembro de 2007 às 18:57
Olá, PP, que surpresa!
Sejas muito bem vindo a esta casa. E tiveste um baptismo de luxo, com poesia e música. Volta sempre.
De pedro sanchez a 1 de Setembro de 2007 às 15:50
E já somos 3, e certamente não seremos os únicos, cujos pensamentos são desviados para o carteiro de Neruda. Talvez mesmo o MA tenha ido aí beber.

bjs, pp.
De ana vidal a 1 de Setembro de 2007 às 13:06
Já lá está. E lembrei-me agora duma coincidência engraçada: o carteiro chamava-se Mario, também.
De ana vidal a 1 de Setembro de 2007 às 12:04
Tem graça, quando li o poema lembrei-me logo do carteiro do Neruda. Tem a mesma ingenuidade e a mesma simplicidade que davam ao filme toda a graça. Haja almas assim, é do que estamos todos a precisar.
(Vou passar o poema para este post da bicicleta. Se encontratres mais textos, manda sempre).
Beijos
De Mario Cordeiro a 1 de Setembro de 2007 às 11:26
O poema é, de facto, lindo - e há sempre Índias à espera dos Joões.
Por acaso, o assunto bicicleta está a despertar-me enorme interesse, porque o que o MA aqui descreve tem algo de "Postino de Pablo Neruda" e de um ritmo humano e aldeão de sentir o mundo.
Vou tentar descobrir mais coisas...
Beijinhos e bom fim de semana.
Se estiver muito calor, venho aqui apanhar um bocadinho de vento.
De ana vidal a 1 de Setembro de 2007 às 01:35
Olá, Mário.

Sei que sabes, tão bem como eu e o Manuel Alegre, que é pedalando pelos caminhos da utopia que se atravessa a madrugada dos poemas. E este poema é lindo.

Gostei do que trouxeste na tua bicicleta dos recados. E quando o João for à Índia, não te esqueças de dar notícias.

Um beijo
De Mario Cordeiro a 1 de Setembro de 2007 às 00:59
Abraços, Ana. E boas pedaladas pelos caminhos da utopia.
Mário


Na minha bicicleta de recados
eu vou pelos caminhos.
Pedalo nas palavras atravesso as cidades
bato às portas das casas e vêm homens espantados
ouvir o meu recado ouvir minha canção.

Na minha bicicleta de recados
eu vou pelos caminhos.
Vem gente para a rua a ver a novidade
como se fosse a chegada
do João que foi à Índia
e era o moço mais galante
que havia nas redondezas.
Eu não sou o João que foi à Índia
mas trago todos os soldados que partiram
e as cartas que não escreveram
e as saudades que tiveram
na minha bicicleta de recados
atravessando a madrugada dos poemas.

Desde o Minho ao Algarve
eu vou pelos caminhos.
E vêm homens perguntar se houve milagre
perguntam pela chuva que já tarda
perguntam pelos filhos que foram à guerra
perguntam pelo sol perguntam pela vida
e vêm homens espantados às janelas
ouvir o meu recado ouvir minha canção.

Porque eu trago notícias de todos os filhos
eu trago a chuva e o sol e a promessa dos trigos
e um cesto carregado de vindima
eu trago a vida
na minha bicicleta de recados
atravessando a madrugada dos poemas.

Manuel Alegre
De ana vidal a 1 de Setembro de 2007 às 00:22
É verdade, mas prefiro o paredão. E a pé, por muito que goste de bicicletas!
De RAA a 31 de Agosto de 2007 às 23:52
Perfeito para prosseguir as férias, vizinha, de preferência na ciclovia!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds