Quarta-feira, 19 de Março de 2008

Homenagem


Acabam de desaparecer dois homens difíceis de ignorar, ligados ao mágico mundo do cinema:
Arthur C. Clarke, o visionário escritor de ficção científica e criador do eterno 2001 - Odisseia no Espaço, aos 90 anos;
e Anthony Minghella, o realizador de filmes tão importantes como, por exemplo, O Paciente Inglês e O Talentoso Mr. Ripley (gosto mais ainda do segundo, que considero um dos grandes filmes que já vi), aos 54 anos apenas.
De Clarke, ficou-nos uma herança promissora: 3001, The Final Odissey. I just can't wait...
Dizer que o cinema ficará mais pobre sem eles, é puro eufemismo.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 10:35
link do post
4 comentários:
De Meg (sub Rosa) a 20 de Março de 2008 às 05:28
Queridíssimos Ana e Réprobo:

É um consolo ver a repercussão destas efemérides tão tristes.

Quanto ao Paciente Inglês a Aninha colocou as coisas em seus evidos lugares;-)
E eu digo que detesto só por causa do fã mais ...digamos aferrado da Binoche.
Mas, eis que agora constato que há mais de um;-)

No mais, perfeito o que diz o Capitão-mor!
Gostei muito mesmo.

Um beijo aos dois, um abraço a todos.
Meggy
De Capitão-Mor a 19 de Março de 2008 às 20:07
Ele soube imprimir alguma poesia ao género da ficção científica que é sempre definido como categoria literária inferior...
De av a 19 de Março de 2008 às 19:15
Mas eu gosto do Paciente Inglês, Paulo. Só não tanto como do Mr. Ripley, um filme que achei notável.
Um beijinho
De O Réprobo a 19 de Março de 2008 às 14:44
É verdade, Querida Ana, dois Criadores de gerações completamente diferentes, provando que a Ceifeira não dorme. Já ontem tive ocasião de dizer à Meg que gosto do «Paciente Inglês», embora, pelos vistos, Nenhuma de Vós o estime por aí além.
E claro que o 2001, visto também na versão restaurada e ampliada, era texto importante a que Kubrick garantiu uma transposição digna para a tela. Vergonha das vergonhas, pensava que Clarke já tivesse morrido há mais tempo.
Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds