Domingo, 12 de Agosto de 2007

Hoje de Manhã


Hoje de manhã saí muito cedo,
por ter acordado ainda mais cedo
e não ter nada que quisesse fazer...
Não sabia que caminho tomar
mas o vento soprava forte,
varria para um lado,
e segui o caminho para onde o vento
me soprava nas costas.
Assim tem sido sempre a minha vida,
e assim quero que possa ser sempre.
Vou onde o vento me leva e não me sinto pensar.

(Alberto Caeiro)
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 09:37
link do post
3 comentários:
De ana vidal a 13 de Agosto de 2007 às 14:56
Que inveja! Esquece os acentos, passa os camarões. Um beijo também para o cunhadinho.
De Mad a 12 de Agosto de 2007 às 20:54
E alguém sabe o que é que se passa com os acentos? Para quem é que se reclama?
De Mad a 12 de Agosto de 2007 às 20:53
Ol� c� estou eu, Brise cont�nuo, novo desodorizante.

Fui!

O Cachucho manda um beijinho � cunhadinha.

Agora estamos muito ocupados, temos que ir ali comer uns camar�es e umas cervejas.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds