Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

Azares


Hoje de manhã fazia muito vento aqui e a chuva ameaçava despencar do céu a qualquer momento. Preparei-me para sair de casa com a sensação de estar a meio do Outono ou nos primeiros dias de uma Primavera fresca, ainda incipiente. Onde está o Verão? Onde estão os dias de sol farto, a pedir banhos de mar? Ainda bem que estou a trabalhar e não de férias, pensei. Pobres dos portugueses que alugaram casas de praia ou espaços em parques de campismo, e têm que inventar actividades para se entreterem debaixo de tecto, para não acabar tudo numa enorme discussão familiar.

No Bangladesh e na Coreia do Norte, as inundações estão a fazer centenas de milhares de desalojados. As chuvas de Verão dos últimos dias destruíram pelo menos 800 edifícios públicos, 540 pontes, linhas de caminho-de-ferro e milhares de hectares de campos de cultivo. A fome e as epidemias alastram.

Mal cheguei à garagem, lembrei-me de que tinha deixado as chaves do carro no 4º andar. Bolas, porque é que sou tão distraída? É raro o dia em que não tenho de voltar para trás, por uma razão qualquer: as chaves, o telefone, um papel importante, qualquer coisa que me atrase e me faça sentir estúpida logo de manhã. Voltei ao elevador, em sentido contrário. A rogar pragas a mim mesma.
O sismo no Peru é o maior dos últimos 50 anos: já provocou mais de 500 mortos e espalhou o caos em cidades como Pisco, uma das mais atingidas, onde as ruas estão pejadas de cadáveres.
A caminho do escritório, já na estrada, o trânsito estava pior do que o costume: um acidente numa das rotundas. Só chapa, nada de importante, ninguém se magoou. Mas entre os mirones ociosos e divertidos, os dois condutores discutiam aos gritos e quase chegaram a vias de facto. Depois lá chegou a polícia, acalmaram os ânimos. Finalmente, o trânsito recomeçou a circular. Uff, que stress!
Os quatro atentados de terça-feira no Iraque são já os mais violentos e sangrentos da história do país, desde a invasão norte-americana, em 2003. Segundo os últimos balanços oficiais, feitos ontem à tarde, foram já extraídos dos escombros, pelo menos, 250 mortos e 350 feridos.

Como uma desgraça nunca vem só, a reunião que eu tinha hoje à tarde foi adiada sine die, o que significa, muito provavelmente, que o negócio não se fará. A desculpa é Agosto, mau mês para decisões importantes, mas palpita-me que houve um recuo. Más notícias, era uma aposta que eu achava já estar no papo. E o trabalhão que já tive com isto?! Bom, avancemos, não vale a pena chorar sobre leite derramado. Mas não consegui fazer muito mais: os telefones estiveram avariados uma boa parte da tarde, assim como o ar condicionado. Há dias em que mais vale não sair de casa.

Após uma canícula com uma duração sem precedentes, que matou nove pessoas no país, a Grécia enfrenta uma vaga de incêndios, que já fizeram dois mortos no centro do país e chegaram ontem à noite às portas de Atenas.

Cheguei a casa irritada e tensa, morta por relaxar um bocadinho antes do jantar. A propósito, havia que fazê-lo, entretanto. Se ao menos tivesse uma empregada interna, ou uma varinha mágica que fizesse tudo por mim! Mas não tenho nada disso. Fui para a cozinha com um suspiro, preparei tudo e finalmente voltei à sala, ao meu sofá preferido. Recostei-me, estiquei as pernas, liguei a televisão. Com tudo isto, estava na hora do telejornal. E ouvi as notícias de hoje...
publicado por Ana Vidal às 23:28
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds