Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008

Negar a evidência



O desemprego vai diminuir.
Não se sabe quando, mas vai.
Um dia. Talvez ainda neste século...


Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 21:09
link do post
8 comentários:
De av a 17 de Fevereiro de 2008 às 17:46
Bem visto, Samuel, o nevoeiro dentro da cabeça. E não se preocupe que, mesmo enevoada, aquela cabeça vai descobrindo sempre mentiras novas.
Bjs
De samuel a 16 de Fevereiro de 2008 às 12:00
Queremos mentiras novas!
Queremos mentiras novas!

ou, O problema deste "sebastião" é que tem o nevoeiro dentro da cabeça.

Abreijos
De av a 16 de Fevereiro de 2008 às 10:13
Ele tem prometido muito e cumprido muito pouco, psb. Os números do desemprego falam por si, para quê negar a evidência?
De PSB a 16 de Fevereiro de 2008 às 01:41
Acho uma graça ao cognome Sebastócrates (bem apanhado Redjan), que também poderia ser Sócratião. Duvido que o Dom que emprestou o cenário e o fato, tenha ficado assim tão satisfeito, pois o novo figurino não é nada bom para a imagem de 'O Desejado'. Já não acho graça nenhuma ao novo recorde do desemprego (apesar de, todos sabemos, haver muito falso desemprego que empola os números) mas estou descansado. Ainda falta mais de um ano e ele prometeu 150.000 novos postos de trabalho. Portanto(s)...
De av a 16 de Fevereiro de 2008 às 00:02
Lord, também eu gostava!
De av a 16 de Fevereiro de 2008 às 00:02
Pois é Redjan, estamos todos sempre à espera de um desejado que virá numa manhã de nevoeiro... e enquanto esperamos, ninguém faz nada!
De lord broken pottery a 15 de Fevereiro de 2008 às 23:00
Ana,
Gostaria de poder acreditar.
Beijo
De redjan a 15 de Fevereiro de 2008 às 21:47
D. Sebastócrates ? O rei perfeito neste reino de nulidades sentadas, mediocridades veneradas, gente que se entusiasma mais com um acidente na 2ª circular do que com o acidente que é o País !

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds