Terça-feira, 11 de Setembro de 2007

Ilha das Pombas


Ilha das Pombas

São livros.
Velhos tomos abandonados
na estante do tempo,
guardando no silêncio das páginas
mil histórias, mil mistérios
que a memória já esqueceu.

O pescador que não voltou
de um dia de má sorte,
bote e alma vazios, eterno espanto.
A noiva que em vão picou os dedos
naquele vestido branco
que era um sonho bordado,
e nos pontos cruzados se perdeu.
O poeta que ouviu um dia um não mais duro
e se lançou voando,
asas presas para sempre no azul sem fim.
O menino que falava com as gaivotas
e com elas se ria do futuro.
Os amantes que tanto prometeram
e tão pouco cumpriram, afinal.
Os amigos que fizeram um pacto de sangue,
um por todos, todos por um…

São livros.
Orgulhosos e belos,
encostados ao tempo,
amparando-se no tempo
e com ele resistindo, resistindo
ao sopro gélido das nortadas,
ao impiedoso abraço das ondas,
até que todos os mistérios se desvendem.

(Baleal, 9/9/2007)
Fotografia: Mário Cordeiro
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 01:55
link do post
6 comentários:
De ana vidal a 12 de Setembro de 2007 às 12:40
Miguel,
Não faças propaganda do Baleal, que já tem gente a mais. Olha que deixa de ser um paraíso num instante...
De ana vidal a 11 de Setembro de 2007 às 15:47
Quem disse que eu não tenho os melhores e mais talentosos amigos que alguém pode ter???
Roam-se, invejosos!

ana

PS: Faltas tu, Mário. Nada a dizer?
De pedro sanchez a 11 de Setembro de 2007 às 14:31
Baleal sem dono e sem patrono
Baleal de todos e dos tolos
Baleal dos amigos e inimigos
Baleal das gaivotas sempre às voltas
Baleal das algas e das almas
Baleal da areia e da teia
Da teia dos amigos que ajudou a juntar
De Miguel a 11 de Setembro de 2007 às 13:43
Uma mulher afasta-se.
- Então, vais passear?
Ela demora. Os amigos atormentam-se.
Regressa.
- Fui procurar o cheiro dos livros no silêncio das pedras.
Entendemo-lo hoje, nestas palavras.
Falta dizer que a fotografia do Mário não é um sonho que tivémos esta noite.É o paraíso, ele próprio, a 100km de Lisboa.

abraços

Miguel Leal
De ana vidal a 11 de Setembro de 2007 às 11:41
Thanks, dear.
Tudo pela felicidade dos meus amigos! :)
(a honestidade às vezes é chata, tens razão...)

Beijinhos
De manuel teixeira a 11 de Setembro de 2007 às 10:26
Nice one Ana.
E que paz agora para a leitura. Em silêncio.
Obrigado por teres anulado os pop ups, que eram bem chatinhos...

Manuel Teixeira

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds