Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008

Momento ainda mais narcísico


Nariz, nariz e nariz,
Nariz, que nunca se acaba;
Nariz, que se ele desaba,
Fará o mundo infeliz;
Nariz, que Newton não quis
Descrever-lhe a diagonal;
Nariz de massa infernal,
Que, se o cálculo não erra,
Posto entre o Sol e a Terra,
Faria eclipse total!

(Bocage)

Prometo que não falo mais no assunto, mas não resisti.

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:55
link do post
11 comentários:
De av a 21 de Fevereiro de 2008 às 01:46
Obrigada, Leonor.
De Leonor Barros a 20 de Fevereiro de 2008 às 23:04
As melhoras, Ana.
De av a 19 de Fevereiro de 2008 às 22:53
Obrigada, miúda.

Pode dizer o que quiser, Paulo! O meu nariz é a nova mascote deste blog, e fui eu mesma quem começou com a brincadeira...
Um beijinho
De O Réprobo a 19 de Fevereiro de 2008 às 21:17
Querida Ana,
qualquer referência desprimorosa ao acidentado será sempre meter o dito onde se não é chamado.
Beijinho
De Sofia a 19 de Fevereiro de 2008 às 11:47
O teu está muito mais original... não ligues às más línguas!
beijinhos e muito gelo
De av a 19 de Fevereiro de 2008 às 11:41
Obrigada, Pedro. É preciso muito mais do que um nariz partido para me tirar o humor. Ou muito menos, às vezes...
De PSB a 19 de Fevereiro de 2008 às 11:20
Ana
De saudar que a queda tenha só afectado, mesmo, o nariz, deixando intacto o teu espírito de humor, para mais, em causa própria.
Beijinhos e as melhoras
De av a 19 de Fevereiro de 2008 às 01:48
Infelizmente, vizinho. E não sei qual de nós ganharia, num "nariz de ferro"...
Obrigada, bjs
De RAA a 19 de Fevereiro de 2008 às 01:39
Pobre vizinha! Presumo que neste momento compita com o Cyrano... As melhoras.
De av a 19 de Fevereiro de 2008 às 01:30
O meu está sem compostura nenhuma, Júlia... mas há-de recuperá-la, que eu tenho o nariz empinado sempre que é preciso!

Um beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds