Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

Está quase


A melhor coisa de se estar afastado durante algum tempo é constatarmos que fazemos falta e que gostam de nós. Seja para um grupo restrito de pessoas, seja para um imenso público anónimo, ser-se querido é sempre muito bom.
A longa lista de mails, por ler, na minha caixa postal, somada às mensagens que encontro aqui na caixa de comentários do blog, dizem-me que há quem tenha sentido a minha falta. Quem tenha tido saudades. E só por isso, meus amigos, já valeu a pena ter estado estes dias todos embrulhada em caixotes e com a casa virada do avesso.
Obrigada a todos, pelo carinho. Prometo voltar em breve (não, ainda não tenho net regularmente - não conhecem a TV Cabo, por acaso??), e, para já, vou passando por aqui para pôr a conversa em dia.
Nota 1: Que bom que é ter interlocutores inteligentes: deixei aqui um subtil desafio com a palavra "rede" (escrita e sugerida numa imagem vaga), o que suscitou logo vários trocadilhos e interpretações, tal como esperava.
Nota 2: As arrumações estão quase feitas. E não, não me mudei para o Palácio da Pena. Mas tenho pena.

publicado por Ana Vidal às 16:37
link do post
6 comentários:
De av a 6 de Dezembro de 2007 às 14:54
Não, Zabal, nunca vi o teo. ;)
Mas se tu dizes que é uma alternativa interessante, tu lá sabes...

Agora a sério: o que é isso do MEO?
De Zabal a 6 de Dezembro de 2007 às 00:09
Sem que a PT me pague... já viste o MEO?
Parece-me uma alternativa interessante.

Bjocas
De Ratatouille a 5 de Dezembro de 2007 às 09:17
Ana
Isto é o "cabo dos trabalhos", mas a dita TV é mesmo assim. Tantas vezes quando precisamos dela que ela se nega. E toca a fazer resets, a desligar e a ligar cabo, a falar prá assistência, a esperar horas para que nos devolvam a rede e a rede a continuar a negar-se. Vamos boicotar a TV Cabo. Vamos fazer greve à rede. Vamos passar a trabalhar "sem rede". É mais arriscado e, volta não volta, lá cai um. Mas passamos a estar independentes daqueles senhores que não nos ligam nenhuma.
Beijos e que sejas bem aparecida. Estava a demorar.
De av a 5 de Dezembro de 2007 às 00:37
Manel, sempre acutilante... mas também te digo que para agarrar-me ao cabo nunca uma rede me fez falta. Respondido?

SB,
Bem vindo (a?) aos serões animados da Porta do Vento. Espero que tenham recomeçado em força, já tinha saudades! Uma blogueira sem blogue é como um jardim sem flores...
De SB a 4 de Dezembro de 2007 às 21:22
Viva, os trocadilhos começaram.
Uhmmm ou será:
Viva os trocadilhos, começaram.
Ainda bem que as sagas da rede e da Pena já estão no fim. Ainda bem também, que todos os "interlocutores inteligentes" estão de volta. É bom que comecem a dar uso às respectivas penas e à cabeça para que os serões se animem de novo. Viva a criatividade e inspiração.
De manuel teixeira a 4 de Dezembro de 2007 às 17:37
Ainda sem rede ?!

Agarraste-te ao cabo, e foi o que deu.

Pena......

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds