Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Fogo do Inferno?


No Peloponeso, uma mulher e os seus quatro filhos foram encontrados, abraçados e carbonizados, dentro do carro em que tentavam fugir do incêndio que consumia a aldeia em que viviam.
Cruel ironia: ao contrário do resto da população daquela aldeia, se tivessem ficado em casa ter-se-iam salvo, já que a sua casa foi a única que as chamas pouparam.
É difícil não pormos tudo em causa quando ouvimos notícias como esta. Muito difícil. Um Deus infinitamente clemente que ama os seus filhos e só lhes quer bem, como aquele em que me ensinaram a crer, permite que uma mãe tenha a consciência de que matou os filhos por ter feito uma opção lógica, que se destinava a salvá-los? E permite que quatro crianças morram assim, gratuitamente, de uma forma inimaginável? Porquê?? Para quê??
Todas as mortes violentas são de lamentar - e ainda mais as de inocentes - e estas não foram as únicas vítimas dos fogos que estão a destruir a Grécia. Nem sequer foram as únicas crianças a morrer neles. Mas há sempre um quadro que se torna mais insuportável, uma imagem que nos toca particularmente e nos faz desabar. E este episódio, relatado ontem em todos os jornais televisivos, foi a gota de água que fez transbordar a minha taça de tolerância ao horror.
Apetece-me gritar Augusto Gil: "Mas as crianças, Senhor? Porque lhes dás tanta dor? Porque padecem assim?"
Nota: O meu post de hoje era para ser sobre os transgénicos e a entrevista de Mário Crespo ao activista Gualter Baptista. Mas, perante isto, tudo o resto me pareceu de uma futilidade idiota.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:01
link do post
2 comentários:
De ana vidal a 29 de Agosto de 2007 às 21:24
Nem nós o nosso, infelizmente.
Tudo aquilo são fogos postos...

Bjs
De JG a 29 de Agosto de 2007 às 20:59
Deus não cumpre bem o seu ofício. Há muito que aprendi isso.

Bjj

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds