Sábado, 12 de Janeiro de 2008

Porque no te callas?


Que Mário Soares sempre cultivou uma pose majestática, já todos sabemos. O país deixou-o sempre brincar aos reis, porque sempre lhe achou graça e sempre lhe perdoou tudo. Em nome de uma dívida antiga, possivelmente, já que ele nos "salvou" de uma mais do que certa condenação a um comunismo radical altamente preocupante, à época. Mas Soares não pode queixar-se do seu país: Portugal tem demonstrado larga e generosamente a sua gratidão, concedendo-lhe uma espécie de carta branca (que atribui a muito poucos, note-se) e aturando todos os caprichos e excentricidades deste seu longevo enfant gaté. Às vezes, já um bocadinho farto, diz-lhe um "basta!", como aconteceu nas últimas eleições presidenciais. Mas, normalmente, deixa-o passear a sua coroa fictícia sem comentários de maior. Trinta e tal anos depois, a tal dívida já foi, quanto a mim, mais do que saldada.
Mas Soares leva o seu papel de rei muito a sério. Agora, segundo parece, foi o seu "par" espanhol que o inspirou. Na Fundação onde instalou a sua corte, mandou calar sem cerimónias um membro da plateia que interrompeu o discurso de Sócrates com um comentário crítico, dizendo-lhe: "O senhor cale-se, está aqui como convidado mas também pode ser convidado a sair." .
Ora aí está. Para quem sempre fez da liberdade de expressão uma bandeira, não está mal...
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 10:46
link do post
3 comentários:
De PSB a 13 de Janeiro de 2008 às 23:01
Para além do mais, é de uma falta de chá a todos os níveis dirigir-se deste modo a um convidado (certamente causou mais distúrbio no discurso do pm do que o próprio comentário do outro), além de ter assumido uma pose pouco democrática de chefe de sala (aqui sou eu que mando e que selecciono os comentários). Para a próxima, se o comentarista era indesejável, tenha mais cuidado na lista dos convites a fazer.
De av a 13 de Janeiro de 2008 às 00:06
Eu até lhe dou razão, vizinho. Também me irritam imenso esses "velhos estalinistas albaneses", como você diz. Mas vindo do Soares, que também diz tanta coisa a mais, cheira-me sempre a esturro, o que é que quer?
;)
De RAA a 12 de Janeiro de 2008 às 23:44
Nunca tiva pachorra para o Mário Soares, mas concordo que ele, o Zenha mais os Nove, fundamentalmente estes, mas também o PPD e a Igreja, foram importantíssimos para nos livrarem destes Moutas Lizes e outros Otelos, basbaques que queriam transformar isto numa espécie de Albânia (como se não fôssemos já suficientemente miseráveis). Por isso, vizinha -- e depois de ter lido a notícia -- acho que o Soares esteve muito bem. É como diz o Sócrates: se o Mouta quissese ter usado da palavra, deveria tê-la pedido, em vez de se pôr a arengar. Se há gente que me tira do sério são estes velhos estalinistas albaneses armados em progressistas. :(

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds