Segunda-feira, 10 de Março de 2008

Aderência à asneira


Como é possível que Paulo Teixeira Pinto, o todo-poderoso ex presidente do BCP e possivelmente o mais bem pago reformado deste país, diga " a aderência à Causa Monárquica..."???

E que tal um pouco mais de adesão ao português correcto?


(Nota: Acabado de ouvir no Prós e Contras)
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:02
link do post
18 comentários:
De Karocha a 12 de Março de 2008 às 20:31
Eu já ouvi o Marcelo a dizer "prontos"
Quanto ao reformado de luxo, acho que o D.Duarte o merece e mais a mais com as lentes de contacto julga-se o Banderas. ;-)
De tcl a 12 de Março de 2008 às 00:09
Não percebes nada, Ana. Quando se tem aderência a uma causa, significa que se está completamente colado à causa. Simples.
De av a 11 de Março de 2008 às 22:50
Fugidia, ainda não tive tempo para responder à altura do nosso amigo Réprobo. A fasquia está alta, há que ter cautela acrescida...
Um beijinho
De fugidia a 11 de Março de 2008 às 20:53
E eu que vinha, toda lampeira, espreitar pela sua porta fechada/aberta, se já tinha respondido ao desafio do caro Réprobo, fico sem saber se concordar consigo é uma questão de "adesão" ou "aderência"...
:-|

Hum, vou ver se estudo um pouco; razão tem o caro Réprobo em querer ser dicionário se fosse livro...
:-)
De av a 11 de Março de 2008 às 18:00
João Paulo,

Se aquilo é um olhar matador, estou safa de morrer dessa maneira...
Beijo
De João Paulo Cardoso a 11 de Março de 2008 às 12:53
Atendendo à forma como o arrogante PTP se agarrou ao poder no BCP, tal como uma lapa de olhar matador
(aquilo é um olhar matador, não é?) a expressão "aderência" até é capaz de estar correcta.

Esta história da "aderência" faz-me lembrar um dia há muito tempo atrás, em que o velho Renault do meu pai começou a deslizar pela Serra da Estrela abaixo, já que os pneus não tinham qualquer tipo de... "adesão".

Beijos.
De av a 11 de Março de 2008 às 12:36
Paulo, já lá fui espreitar. A empreitada é de respeito, e depois da sua brilhante exposição, fiquei inibida e temerosa de fazer má figura. Mas deixe-me pensar um bocadinho e prometo responder como puder, que a auto-análise é sempre muito útil a todos nós.
De av a 11 de Março de 2008 às 12:18
Pituxa,
tens razão, sou uma sonhadora...

A si, caríssimo e douto Réprobo, não posso nem ouso ensinar português. Acontece que sempre me ensinaram que, embora o verbo seja o mesmo (aderir) o substantivo "adesão" se aplica sempre a pessoas (acto racional de aderir), e o substantivo "aderência" unicamente a objectos (acto de aderir, igualmente, mas não racional). Por isso o seu "mendigo", que é, tanto quanto sei, uma Pessoa, bem podia empregar alguns euros num Objecto muito útil - um bom dicionário. Acho que o gasto não lhe pesaria muito no orçamento familiar, mas se calhar também não lhe "acorreu"...

Talvez influenciada por este subtilíssimo pormenor que me arranhou o ouvido, ainda não é desta que eu adiro (sem cola, portanto) à sua amada Causa. Mas não perca a esperança, que o debate de ontem foi frutífero e interessante (não estava o famigerado acusador de usurpadores, para fazer descer o nível) e, quem sabe, o meu amigo não possa "confortar-me" um dia destes pela minha "aderência"...

Um beijinho
De O Réprobo a 11 de Março de 2008 às 11:57
Entretanto, Ana, resolvi fazer-Lhe uma maldade. Lá onde conhece.
Beijinho
De O Réprobo a 11 de Março de 2008 às 10:01
Querida Ana,
pensava vir encontrar uma ADESÃO à Monarquia, indiciada lá pelo meu braseiro, quando A vejo impiedosa para com um pobre mendigo!
"Aderência" soa muito mal, mas nem está incorrecto, já que os dicionários a dão como sinonímica de "acto de aderir" - v.g. «Dicionário Prático Ilustrado da Lello & Is., Porto, 1953. E aqui para nós, que ninguém nos ouve, quer termo mais apropriado para classificar adesivos?
Nunca seria o caso da Ana, claro se abraçasse a Causa, seria recebida com uma alegria desmesurada e o Reforço há muito esperado.

PS: se a Teresa me permite, não há azar algum, sorte teve a Selecção que contou com Tal Apoio.

PPS: e uma engraçada passu-se com um relator da bola que, depois de um jovem guarda-redes se ter exibido em grande, debitou como pérola o entendimento de que "os colegas estavam a confortá-lo". Como se o rapaz estivesse triste pelo figuraço! "Felicitá-lo" foi termo que não lhe... "acorreu".
Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds