Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Suicídio?????


Ainda me hão-de explicar como é que alguém se suicida assim, com três facadas no peito...
Ou será que a contabilidade dos suicídios portugueses (nas estatísticas para UE ver) ainda aguenta alguns mais, ao contrário da dos homicídios, que nos últimos tempos vem descompondo perigosamente o idílico quadro dos brandos costumes?
Adenda: Não resisto a incluir aqui uma definição deste caso que diz tudo, encontrada no blog Hole Horror: "Suicida suicida-se e depois de suicidado continua a suicidar-se".
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 11:29
link do post
5 comentários:
De Sofia a 8 de Março de 2008 às 23:25
Bem, também se dizia que Antero de Quental se suicidou com dois tiros... este devia ter mais sangue frio e foi à facada... Eu cá tenho as minhas dúvidas...

beijos
De av a 7 de Março de 2008 às 22:53
Nem mais, meu amigo. Areia para os nossos nossos olhos ou pura estupidez? Entre les deux mon coeur balance...
beijinho
De O Réprobo a 7 de Março de 2008 às 21:55
Bem, Querida Ana, não dizem que não há duas sem três? Mas claro que tresanda a burocrata com a cabecinha cheia de hipóteses de escolha múltipla antes da autópsia. Do corpo, não da cabeça, que seria irrisório pensar encontrar algo lá.
Beijinho
De av a 6 de Março de 2008 às 21:55
Também me parece: a segunda já deve ser sem grande entusiasmo, e a terceira, então, só mesmo para os mais teimosos...
O assunto não é para brincar, mas às vezes parece que estão a brincar connosco, não é?
Beijos e obrigada pelas músicas do pé leve, que me deliciaram.
De Teresa a 6 de Março de 2008 às 18:01
Bom... os generais romanos derrotados suicidavam-se caindo sobre a própria espada. A autofacada (e três!) deve ser, no mínimo, muito desconfortável. É que não dá jeito nenhum!
Beijos.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds