Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

Promessas



Prometo ter juízo.
Mas não prometo cumprir a promessa.

(Imagem: R. Magritte)
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 01:01
link do post
19 comentários:
De av a 20 de Março de 2008 às 18:07
Octávio, não tinha conseguido ver o link, e só agora percebi o que era a "tua maçã"! Belíssima fotografia, de facto. Parabéns.
Bjs
De Octávio Diaz-Bérrio a 20 de Março de 2008 às 17:13
Com ou sem juízo... mas aqui (http://diazberrio.home.sapo.pt/webshop/collbw4.htm) foi a maçã!...

PS - Não resisti!! ;-)
De av a 29 de Janeiro de 2008 às 23:28
Sinapse, podes comer uma maçã destas, que não é uma maçã... um chocolate, por exemplo. E cumprir a promessa!

Sempre querido, Milord. Feito por vc, o homem das sínteses certeiras, o elogio é ainda maior. Obrigada.
De Lord Broken Pottery a 29 de Janeiro de 2008 às 19:02
Ana,
Duas frases, um pensamento vastíssimo. É tudo o que venho procurando há tempos. Conseguir dizer muito com pouco. Você conseguiu lindamente. Parabéns!
Grande beijo
De Sinapse a 29 de Janeiro de 2008 às 18:42
Eu também deveria prometer algo ... comer uma maçã por dia, por exemplo! E cumprir a promessa!
De av a 29 de Janeiro de 2008 às 14:54
Capitão: o juízo serve, por exemplo, para se saber até onde podemos "não o ter". A fronteira, às vezes, é ténue...

Nem mais, Júlia. Estamos em sintonia.

A frase é minha, sim, Sofia. Wellcome back. Ai o que tu já sabes, com essa idade...

Beijos a todos
De Sofia a 29 de Janeiro de 2008 às 14:36
Estou de volta!!!

A frase é tua? Está-me a parecer que sim...

Eu gosto de fingir que tenho juízo para o poder ter ainda menos... Ai, ai!

beijinhos
De JuliaML a 29 de Janeiro de 2008 às 14:34
Serve, Capitão!
Para ter a Coragem de não cumprir Promessas, se achar que elas não fazem sentido para nós. :-)
De Capitão-Mor a 29 de Janeiro de 2008 às 14:01
Juízo? Mas isso serve para alguma coisa? :)
De av a 29 de Janeiro de 2008 às 10:56
;)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds