Sábado, 15 de Setembro de 2007

O essencial


E mais uma gargalhada, à conta da proverbial e ignorante bonomia dos portugueses.

Esta ainda fresquinha, acabada de ouvir nas notícias da televisão, numa entrevista de rua no Porto, onde decorre a reunião dos Ministros das Finanças da União Europeia (ECOFIN).

Uma tripeira avantajada é abordada pelo jornalista, que lhe pergunta se sabe o que é o Ecofin. Resposta prontíssima: "Eu não... Sei o que é vinho fino, mas isso não ..."

Bem respondido, carago! O que interessa é saber o essencial.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 18:28
link do post
9 comentários:
De pedro sanchez a 18 de Setembro de 2007 às 05:45
Não chego para vocês nesta contenda, mas estou a divertir-me e a aprender. Obrigado.

bjs, pp.
De ana vidal a 17 de Setembro de 2007 às 01:00
Mário, disseste quase tudo. Essa combinação explosiva é que é irresistível para as mulheres... Mas terias que ser mulher para perceber o resto. Dou-te uma pista: as mulheres, vá-se lá saber porquê, adoram o desafio das "causas perdidas". E o House é o paradigma máximo desse perfil. Qualquer coisa entre o "só tu me podes salvar" e o "não percas tempo comigo, sou um caso perdido". Pega sempre!
Já os homens, sempre mais preguiçosos, preferem as mulheres que não lhes dêm muito que fazer: a bela, doce e dócil Cameron, por exemplo. Estou errada?
(Já estou a antecipar o que aí vem de reacção...)
De Mario Cordeiro a 17 de Setembro de 2007 às 00:38
O que é que mais impressiona as mulheres no dito doutor?
- a perninha marota?
- o cinismo?
- a arrogância que expressa?
- a fragilidade que encobre?
- a barbinha de três dias?
- a misogenia misturada com atracção fatal pelo sexo feminimo?
- as qualidades científicas?
- o facto de o actor ter competências em sociologia, antropologia, ter escrito um romance, tocar piano, criar músicas, e ser um excelente comediante e actor?

Para mim, admiro o homem e o escritor-músico, invejo o médico e a barba, irrita-me a sobranceria, mas sobretudo não aguento ser ele que contracena com a Cameron!!!
De ana vidal a 16 de Setembro de 2007 às 03:03
O dr. House já se curou?
Que pena, eu estava a pensar candidatar-me...
De ana vidal a 16 de Setembro de 2007 às 02:44
Lol. Apetecia-me corrigir outras, meu lindo... as da tua cabeça. É que andas a desperdiçar convicções e agressividade com velhas tripeiras que dizem graçolas inocentes, e não há necessidade, como dizia o outro.
Cuidado: esse teu alter-ego do copy-paste ainda te vai dar muito trabalho!
De Mario Cordeiro a 16 de Setembro de 2007 às 02:24
Por favor corrige as gralhas disléxicas do meu teclado...
De Mario Cordeiro a 16 de Setembro de 2007 às 02:23
Olá, Blogmasterina
1. não acredito que tenhas cahdao graça...
2. Não és básica, pelo que ao dizeres que o és estás a fazer género...
3. Os portugueses não têm resposta para tudo: umas vezes respondem, outras dão puns que são registados como respostas, o que não acontece noutros países
4. não estou belicoso, pobre de mim, que sou anti-castrense, anti-Castro e tenho urticária a tudo o que seja instituição militar - mas a agressividade faz parte das convicções. Quem é convicto é agresssivo (não cair no alçapão de confundir com violência) mas também é por vezes imediatista e irreflectido.
5. Muda lá esta gaita para uma entrada mais "normal", do que bvelhas desdentadas porque o SNS não paga dentes, só os arranca, a repetirem a ignorância e o obscurantismo salazarista até à exaustão.

PS: para o Manel: Copy-Paste, my dear:
"Mário: estás a ser demasiadamente mal-educado com a senhora dona deste Blog. Arranja uma mulher e cura-te, como o Dr House! O que é que te deu, Mimster? Estás com a andropausa?"
De ana vidal a 16 de Setembro de 2007 às 00:13
Não é graça, foi mesmo o que ela disse. E eu acho graça, posso?
Sou um bocadinho básica, admito. Mas adoro o desplante dos portugueses, que não percebem nada de nada mas têm sempre resposta para tudo. De onde vens assim tão belicoso, miúdo?
De Mario Cordeiro a 15 de Setembro de 2007 às 23:57
Querida Ana... graça um bocadinho forçada.
Ecofin, vinho fino... daaaah.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds