Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Parabéns???


Sócrates está a gozar-nos, descaradamente. Tira-nos o pão e dá-nos mais circo, em contrapartida. Sempre mais circo, que o povo gosta mesmo é de palhaços. Mas os palhaços somos nós, afinal.
E por fim, não contente com o espectáculo, ainda nos dá os parabéns. Por nos deixarmos amestrar tão facilmente? Por conseguirmos viver no arame? Ou num trapézio sem rede? Ou, talvez, na jaula dos leões? Parabéns porquê, afinal de contas??
Vinde, formosas damas e distintos cavalheiros. É entrar, é entrar, nesta tenda dos milagres! Por causa da contenção de despesas, o espectáculo é à luz das velas. Até a luz ao fundo do túnel foi apagada. Mas assim até é mais romântico...
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:50
link do post
10 comentários:
De ana vidal a 13 de Outubro de 2007 às 16:30
Anónimo: Talvez falte "cumprir-se Portugal"...
:)

Leonor: Mesmo em democracia, as maiorias levam à arrogância, infelizmente. E a arrgância tende, inevitavelmente, para o autoritarismo. Não há mesmo sistemas perfeitos, não é? Ou então somos nós, humanos, que somos imperfeitos a aplicá-los.
Bjs
De papalagui a 12 de Outubro de 2007 às 22:14
Ando completamente passada com a atitude deste governo, tal como a Ana referiu algumas medidas impunham-se, mas o autoritarismo é inadmíssivel. O pior é que há quem defenda...
Bjs
De Anónimo a 12 de Outubro de 2007 às 19:01
O que é ainda mais grave, é que há quem goste de seguir estes maus exemplos. Um pouco de poder serve para criar o desejo de imitar o mestre.

O país está dividido entre os incultos maus e os incultos que aspiram a ser maus.Depois há os outros que são uma minoria.


Tenho receio do que possa vir a acontecer. A história mostra-nos que momentos como este que estamos a passar não conduzem a nada de bom. Por razões diversas, a cegueira tomou conta dos portugueses.

"Portugal, hoje és nevoeiro"
Quando será a hora?
De ana vidal a 12 de Outubro de 2007 às 15:32
Esqueci-me de referir que tens toda a razão quanto às alternativas, que são nulas. E isso é um convite ao totalitarismo.
De ana vidal a 12 de Outubro de 2007 às 15:31
A princípio acreditei, Pedro. E também acho que foram feitas coisas importantes embora impopulares, que era preciso serem feitas. Exactamente por sermos tão dóceis e amorfos (só acordamos em casos extremos) precisamos realmente de ter quem nos governe com algum pulso. Mas o perigo dessas personalidades é a arrogãncia e é o que está a acontecer, infelizmente. O pior é o exemplo, a somar a uma perigosa indiferença pelas pessoas, enquanto Gente. Quando os objectivos são feitos só de números, dá nisto.
De African Queen a 12 de Outubro de 2007 às 15:25
Não podia concordar mais com o Pedro... o maior desespero é mesmo não parecer haver espectáculo alternativo. Temos circo ou mais do mesmo, é muito triste!
De Pedro a 12 de Outubro de 2007 às 14:01
Sócrates, o eucalipto, semeia o deserto. Há tiques perigosos, muito embora também tenham sido feitas coisas necessárias. Mas tão aflitiva como os defeitos de quem governa é a falta de qualidade de quem se opõe... que alternativa?
De Sofia a 12 de Outubro de 2007 às 14:00
Já lá dizia o O'Neill, falando no País Relativo:

"País engravatado todo o ano e a assoar-se na gravata por engano (...). Já sabemos, pois, que és um homenzinho (...). País dos gigantones que passeiam a importância e o papelão, inaugurando esguichos no engonço do gesto e do chavão. E ainda há quem os ouça, quem os leia, lhes agradeça a fontanária ideia!"

beijinhos
De ana vidal a 12 de Outubro de 2007 às 13:10
Não és a única, AQ...
A arrogência atingiu limites perigosos, e a única sorte dos nossos governantes é a nossa eterna passividade. Infelizmente somos assim.
De African Queen a 12 de Outubro de 2007 às 11:54
Bem... eu sinto-me mais uma leoa enjaulada neste circo da treta. Maltratada devido à contenção de despesas, negligenciada por incompetência e cada vez mais zangada ao ponto de um dia destes ser capaz de atacar quem se meter no meu caminho para fugir deste circo e voltar a ser livre :)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds