Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007

Memória


Um único objecto


São tantas as coisas que se misturam
para que a memória devolva um único objecto:
as toalhas e um cântaro com água, uma caixa de música,
as manchas da humidade nas fotografias

da parede, a chuva a bater nos vidros da janela,
a escaleira de pedra, uma árvore. Mas antes
a água primeiro escorrendo num fio por entre
os caules das ervas; as argilas, os finíssimos grãos

da aluvião; uma horta defendida pelos muros
altos; os matos; o bosque: só depois
o segredo de curar ou enlouquecer
tocando com as mãos nos ombros das crianças

só depois da casa e dos caminhos de terra
batida; só depois dos minúsculos açudes e do labirinto
dos canais de rega; só depois das sementes
espalhadas num chão lavrado; só depois do fogo

e do rumor do vento nos arames das vinhas.
São tantas as coisas que se misturam
para que a memória devolva um único objecto:
a faca de cortar o pão.

(José Carlos Barros)

Imagem - Exploding Raphaelesque Head, de Salvador Dali - in O Século Prodigioso
publicado por Ana Vidal às 09:52
link do post
5 comentários:
De ana vidal a 24 de Agosto de 2007 às 12:49
JG, já incluí a origem do quadro do Dali. Tinha-me esquecido. O seu a seu dono.
De ana vidal a 23 de Agosto de 2007 às 01:14
É verdade... nem imagino o que pensam de mim os que me traduzem para outras línguas! Tens um bom exemplo lá no teu blog, o texto que traduziste é de morrer a rir.

bjs
De JG a 23 de Agosto de 2007 às 00:37
O poema só se inventa através das coisas vividas. E este é exemplar.
Belíssimo.

Bjj

Ana, experimentei a tua ferramenta de tradução que transforma este poema e os comentários numa caisa surrealista, tal como o quadro que o ilustra :)))
De ana vidal a 22 de Agosto de 2007 às 19:33
Muito bem dito, milord. E mais verdadeiro ainda, meu caro escritor. Quem disse que você não é um poeta?

Beijo
ana
De Lord Broken Pottery a 22 de Agosto de 2007 às 13:40
Ana,
São tantas as coisas que se misturam para que a memória devolva um único objecto.
Tenho dúvidas. Serão assim tantas coisas, o que retorna seria único? Haveria uma forma diferente também válida de dizer: Alguns pequenos detalhes, poucas coisas, e a memória nos devolve o mundo.
Beijão

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds