Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

Os palhaços de serviço


Não deixa de ser irónico que tanto a esquerda como a direita internacionais tenham, hoje em dia, os seus "palhaços de serviço".
Até agora era Bush o bobo da corte "a pedido", fornecendo um inesgotável manancial de gaffes e constrangimentos, para grande gáudio da esquerda. Mas eis que apareceu Chávez, e as forças equilibraram-se em termos de ridículo. O que me parece saudável, porque isso afasta a tentação de se usarem argumentos falaciosos e obriga os políticos e comentadores a centrarem-se no que realmente interessa. Sem batotas fáceis, já que há telhados de vidro de ambos os lados.
Imagens: George Bush (via Causa Nossa); Hugo Chávez (via Arrastão)

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:07
link do post
6 comentários:
De av a 15 de Novembro de 2007 às 10:21
Ah, pronto, assim fico mais descansada!
;)
De RAA a 15 de Novembro de 2007 às 03:14
Pois, mas eu acho que não vão deixar...
De av a 13 de Novembro de 2007 às 23:34
Vizinho, olhe que ele não concorda nada consigo: tudo o que quer é eternizar-se no poder, sentado num trono feito de barris de petróleo... se o deixarem, nunca mais de lá sai. Basta dizer que o grande ídolo de Chavez é Fidel Castro.
De RAA a 13 de Novembro de 2007 às 23:05
Pobre «esquerda», pobre «direita», se estivessem reduzidas a isto. De qualquer forma, ainda tenho menos respeito pelo Bush. O Chávez é folclore, embora perigoso. Não creio que seja para durar.
De ana vidal a 13 de Novembro de 2007 às 11:23
Manel, já viste que as janelinhas desapareceram como por magia, tal como tinham aparecido? Deve ter sido por aquilo que disseste, que o respeitinho é muito bonito.
De manuel teixeira a 13 de Novembro de 2007 às 09:41
Sempre atenta e boa observadora, como sempre.
Totalmente de acordo com a observação.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds