Domingo, 15 de Julho de 2007

Até que a morte nos separe?


Segundo uma entrevista dada ao Diário de Notícias, o escritor José Saramago vaticina e defende, a médio prazo, um casamento (em comunhão de bens) entre Portugal e Espanha. A fusão dará um novo país que terá, segundo ele, o nome de Ibéria.
Não tenho muito a dizer sobre isso. Todos sabemos qual a metade da "Ibéria" que ele escolheu para viver, há longos anos. Todos sabemos, também, qual a metade que imporia as suas regras à outra, nesse novo e fascinante país. Qual a que sairia vitoriosa e qual a que seria cilindrada. Todos sabemos, ainda, como somos iguaizinhos (!!), nós e nuestros hermanos.
Não me interpretem mal: eu adoro Espanha, tenho-o dito sempre. É um país fantástico e admiro nos espanhóis muitas qualidades que seriam muito úteis aos portugueses, como a auto-estima indestrutível e a irredutibilidade na recusa de diluição dos símbolos nacionais, numa Europa que nunca será culturalmente homogénea. Mas uma coisa é o reconhecimento das nossas menoridades e outra, bem diferente, é achar que somos apenas feitos delas.
Claro que se D. Afonso Henriques não tivesse enfrentado a mãe, o problema nem sequer se poria e nós seríamos, provável e orgulhosamente, a estância balnear da tal Ibéria (e da Europa toda, a avaliar pela habilidade que os espanhóis têm de promover os seus produtos turísticos, com ETA e tudo). E seria óptimo para todos, disso não tenho dúvidas. Mas assim, depois de séculos e séculos numa guerra de David e Golias, e no actual estado de coisas, esta fusão soar-me-ia a pura rendição.
Nós e os espanhóis, até que a morte nos separe? Nah, não me parece.
Mas Saramago quer ser espanhol? Deixá-lo ser. Não me incomoda nada. Para mim, já o disse também, o Nobel português será sempre de Sophia.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 18:12
link do post
3 comentários:
De av a 16 de Julho de 2007 às 10:26
lol
De Mad a 16 de Julho de 2007 às 02:44
Depois disto, não comento. Ou tu ficas queimada para sempre no mundo virtual...
De AC a 16 de Julho de 2007 às 00:17
Ana, acho mais fácil os portugueses se juntarem com o brasileiros "de novo" do que com os espanhóis. Para mim, a fantasia saramaguiana soa como aquelas que tentam juntar o Brasil aos países da América espanhola. Estou pesquisand para descobrir mais do Reinaldo Ferreira... Obrigado pela dica!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds