Domingo, 23 de Setembro de 2007

Silêncio eterno


Morreu Marcel Marceau, o grande mimo francês.
O seu ídolo era Charlot, de quem bebeu os silêncios que diziam tudo.
Palavras, para quê?
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 20:26
link do post
5 comentários:
De ana vidal a 25 de Setembro de 2007 às 02:25
Grandecíssima - assim.
Coitado do Marceau, por aqui não se safava...
De Mad a 25 de Setembro de 2007 às 01:15
Ora aí está alguém (o JP) que não tem pudor em dizer o que pensa - ou o que faria, melhor dizendo. E eu faria exactamente o mesmo, que nunca tive a menor pachôrra pró dito. Coitado, morreu, R.I.P. Mas que era uma grandessíssima seca, lá isso era.

Já agora, ilustra-me: grandessíssima é assim que se escreve? Ou é com "c" mais dois "ss"?
De João Paulo Cardoso a 24 de Setembro de 2007 às 20:00
Se neste momento fizesse uma mímica para ilustrar o que acho dos mimos, acabaria preso por atentado ao pudor.

Beijos.
De ana vidal a 23 de Setembro de 2007 às 21:50
:)
De manuel teixeira a 23 de Setembro de 2007 às 21:44
................................

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds