Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

Old friends


"As old wood is best to burn, old horse to ride, old books to read, and old wine to drink, so are old friends always most trusty to use"
(D´Arcy W. Thompson)


Poucas coisas
são tão interessantes nesta vida como reencontrar velhos amigos após um longo tempo de separação. Várias situações podem acontecer, desde a profunda decepção à reconfortante certeza de que aquele(a) amigo(a) não o era por acaso. No primeiro caso, nada a lamentar. O próprio tempo que passou se encarrega de manter o afastamento, e tudo fica esquecido. No segundo, é muito bom saber que não nos enganámos àcerca de alguém.
O primeiro embate - mais divertido do que constrangedor - em que comparamos mentalmente a nova imagem com a recordação que tínhamos da pessoa, congelada no tempo, leva-nos quase sempre a concluir que a quantidade de cabelo perdido é inversamente proporcional à dos quilos e rugas ganhos, e que tudo isso é infinitamente menos importante do que alguma vez julgámos possível.
Depois vem o melhor: um invariável rol de boas lembranças, desfiadas da meada da memória (o tempo encarrega-se quase sempre, generosamente, de apagar as más) que nos fazem rir e sustentar uma conversa que poderia durar horas, se tivéssemos tempo para isso num simples almoço. As histórias partilhadas, as situações dramáticas ou cómicas, os êxitos alcançados, o destino de outros amigos (um bocadinho de má língua dá sempre alguma graça a estes reencontros), a orgulhosa exibição de fotografias da família que entretanto se criou, tudo isto com uma naturalidade e à vontade espantosos, como se tivessemos estado juntos na véspera.
Aconteceu-me ontem, com uma amigo de sempre que deixei pelo caminho há quase trinta anos. Era um estudante idealista, hoje é um homem maduro... ainda idealista. Que bom constatar que nem toda a gente fica amarga com as desilusões da vida! Que bom saber que ainda há gente de carácter, que não inverteu as prioridades nem cedeu ao cinismo! Foram duas horas bem passadas, e no fim a promessa de não mais deixarmos passar tanto tempo sem nos vermos. Seremos capazes de cumpri-la? Não sei, a vida é muitas vezes caprichosa. Mas espero que sim. De qualquer maneira, o reencontro valeu a pena.
(Nota: Um beijinho ao M., que passa por aqui de vez em quando. Gostei de rever-te, meu amigo).
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 16:44
link do post
8 comentários:
De av a 15 de Abril de 2008 às 11:08
Olá, Manecas, muito bem-vindo a esta estreia como comentador. Eu sabia que havias de entender-te com a caixa de comentários!
A menina Ana agradece também. Não só o almocinho na Doca de Santo como a longa conversa, que ainda vai no princípio.
Um beijinho e volta sempre
De Anónimo a 15 de Abril de 2008 às 10:28
Aqui fica um beijo grande para a menina Ana, que realmente não via há perto de 30 anos...E que revi com tanto prazer na Doca de Santo!

Obrigado por tudo! E sobretudo, obrigado pelo gostoso passeio pelo teu céu estrelado.

Manecas
De av a 12 de Abril de 2008 às 00:26
E é mesmo, Paulo. Interromper uma conversa e retomá-la no mesmo ponto, tempos depois, só mesmo com alguém com quem temos uma amizade tão grande que nos faz cúmplices perfeitos, com entendimentos que nem sempre se explicam.
Um beijinho
De O Réprobo a 11 de Abril de 2008 às 22:42
Querida Ana,
é óptimo quando isso acontece, a bitola ideal de aferição dos nossos sentimentos, bem diferente do incómodo que nos chega do reencontro de meros conhecidos por quem passamos em momentos sem empatia e que surgem como importunas lembranças roubadas ao esquecimento que era seu por direito.
Só conheço uma sensação comparável, mas muito mais tranquila: é a de retomar uma conversa com um amigo no ativo, após algum tempo de afastamento físico, no ponto em que a tínhamos deixado. O sinal seguro de que nos importa não só o saldo do Outro, mas também todos os movimentos, ao ponto de lhe termos fixado e pensado as palavras e os posicionamentos.
Beijo
De av a 11 de Abril de 2008 às 21:53
Olá, Melões. É óptimo, sim. E assim aos montes deve ser divertido.
Beijinho
De Melões Melodia a 11 de Abril de 2008 às 21:48
Curiosamente, encontrei no sabado passado muitos,muitos amigos do passado, e foi exactamente como dizes.
E e tao bom...
Beijo
De av a 11 de Abril de 2008 às 19:04
Bom fim de semana para si também, Fugidia.
Um beijinho
De fugidia a 11 de Abril de 2008 às 18:35
Tem graça, a semana passada revi dois amigos que não via desde o secundário, um, e desde a faculdade, a outra.
É uma sensação muito engraçada e agradável quando percebemos que estamos quase iguais em muitas coisas...
Foi pena ter sido tão rápido...
Um beijinho e bom fim-de-semana, querida Av.
:-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds