Domingo, 23 de Março de 2008

Saudade

«A Menina pôs a sua cabeça dentro do cálice da rosa e respirou longamente.

Depois levantou a cabeça e disse suspirando:

- É um perfume maravilhoso. No mar não há nenhum perfume assim. Mas estou tonta e um bocadinho triste. As coisas da terra são esquisitas. São diferentes das coisas do mar. No mar há monstros e perigos, mas as coisas bonitas são alegres. Na terra há tristeza dentro das coisas bonitas.

- Isso é por causa da saudade - disse o rapaz.

- Mas o que é a saudade? - perguntou a Menina do Mar.

- A saudade é a tristeza que fica em nós quando as coisas de que gostamos se vão embora.»
(A Menina do Mar - Sophia de Mello Breyner Andresen)
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:43
link do post
13 comentários:
De av a 24 de Março de 2008 às 23:28
É um livro eterno, Teresa. Também faz parte do meu património emocional e estético.
Beijinho
De Teresa a 24 de Março de 2008 às 23:12
Que bonito... que bonito... que bonito! Meu Deus, como é bonito!

Bonito a ponto de me encher os olhos de lágrimas. Há quantos anos não relia estas palavras... e, como diria outro poeta, e que saudades, Deus meu!.

Foi um dos primeiros livros que li e de que guardo uma memória muito nítida, juraria que foi lá pelos sete anos - digo isto porque no 1.º ano do ciclo, tendo a professora apresentado um excerto, eu disse que tinha o livro e ela pediu-me para o levar na aula seguinte. Ainda lembro as cores da capa, vários tons de azul, acho, e algum verde. Não o tenho há muito, amanhã vou procurá-lo.
Obrigada.
De av a 24 de Março de 2008 às 23:03
Acontece o mesmo comigo, Cristina. É a magia das palavras grandes, geralmente as mais simples. Como se fosse fácil...

Júlia, gosto muito dessa ideia. Esta parte da Menina do Mar foi a que mais me tocou, ao reler o conto. E a saudade faz parte de mim, disso não duvido. Talvez não haja mesmo coincidências, quem sabe?

Beijos a ambas
De Júlia Moura Lopes a 24 de Março de 2008 às 21:43
Escolheste a parte mais bonita da menina do Mar! E quando a gente escolhe um texto, ele fica a fazer parte intrinseca de quem o escolhe!
beijnho
De cristina ribeiro a 24 de Março de 2008 às 21:20
A mim, esta passagem belíssima d'A Menina do Mar' fez-me lembrar de imediato a conversa da raposa com O Principezinho, de Saint-Exupéry, onde se fala também de sentimentos...
Beijinho
De av a 24 de Março de 2008 às 20:06
Os seus contributos, Paulo, são sempre ricos e oportunos. Woody Allen é sempre uma boa achega, e, neste caso, verdadeiramente "na mouche". Boa questão, essa: também me pergunto se uma recordação é algo que ganhamos ou que perdemos, de facto.
Quanto à sua solidariedade com a AQ, tenho a dizer que nenhum dos dois (uma rainha e um príncipe) devia ter de ocupar-se de assuntos tão "menores" e desinteressantes como o desenvolvimento socioeconómico da Europa. O mundo é injusto...
Grande beijinho
De O Réprobo a 24 de Março de 2008 às 19:50
Querida Ana,
este passo, sempre belo na singeleza das palavras empregadas, touxe-me à memória uma abordagem da rememoração que aqui proponho em paralelo da saudade:
a fala final de Gena Rowlands em «Uma Outra Mulher», de Woody Allen - "e fiquei-me, interogando-me se uma recordação é algo que se tem, ou algo que se perdeu".
O mesmo para a nostalgia.
Beijinho... e seja-me permitido testemunhar solidariedade à African Queen, a Quem adivinho o suplício.
De av a 24 de Março de 2008 às 18:05
Que bom, tantas sintonias!
Gosto que venham aqui fazer pausas no trabalho, é bom sinal...
Beijos a todas
De tcl a 24 de Março de 2008 às 17:59
É curioso... Ainda há poucos dias me lembrei deste conto que li quando era mesmo miúda (11, 12 anos?)e nunca mais reli. E agora dou com ele aqui...
De African Queen a 24 de Março de 2008 às 17:48
Tão lindo Ana! Eu a fazer batota com o trabalho (que já não aguento ler mais nada sobre o desenvolvimento socioeconomico na Europa) e a espreitar aqui numa pausa e tu a recordares-me a Menina do Mar... é por isso que eu gosto de visitar este blog :) Está sempre cheio de surpresas!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds