Quinta-feira, 27 de Março de 2008

Amigos de talento - I

A inaugurar esta galeria de "Amigos de talento" que hoje começa aqui, um amigo recente mas muito especial: Manecas Costa, um músico com talento para dar e vender. É natural da Guiné-Bissau mas vive em Portugal há nove ou dez anos. Diz-se integrado e feliz por cá, coisa que sabe sempre bem ouvir a alguém que teve que ultrapassar barreiras raciais e adaptar-se a um novo mundo. Mas a música, que lhe está no sangue desde criança, abriu-lhe portas insuspeitadas. Depois de alguns anos de relativo anonimato e de uma primeira gravação, teve um convite da World Music para gravar o seu segundo cd em Londres, com a prestigiada chancela da BBC. Por lá ficou uns meses, actuando em salas históricas e fazendo um sucesso tremendo. Até em casa de Peter Gabriel tocou. Mas nem o facto de ter estado nos tops ingleses, deixando para trás nomes famosos, fez com que perdesse a simplicidade e o sorriso tímido e franco. Maior que a qualidade da sua música, só a sua qualidade humana.
Conheci-o num concerto em prol da Lusofonia (eu fazia parte da organização e era letrista de um dos outros artistas convidados), há cerca de um ano, com músicos de vários países tocando e cantando repertórios trocados entre si. Uma festa bonita, daqueles momentos especiais que só às vezes acontecem em palco. A palavra certa para descrever a sensação que me provocou a actuação do Manecas, nessa noite mágica, é esta: electrizante. Destacava-se entre os consagrados, voz e guitarra sobrepondo-se naturalmente, sem "atropelar" ninguém. Era, simplesmente, o melhor dos melhores. No fim do espectáculo conversámos imenso e alinhavámos, logo ali, parcerias futuras. Mas, como acontece tantas vezes, perdemo-nos de vista logo a seguir e tudo ficou em suspenso. Voltámos a encontrar-nos agora, porque é ele o inspirado guitarrista da canção "O inventor de abraços", uma das que tem letra minha no novo cd do Luís Represas. Tem estado na Galiza a fazer teatro mas vem cá sempre que pode, para estar com a família. Gostei de revê-lo e de saber dos êxitos que tem tido. Porque ele os merece, sem sombra de dúvida.
Aqui fica a canção que lhe ouvi nessa noite da Lusofonia, "Pertu di Bo", e também "O inventor de abraços", uma parceria que afinal fizemos sem saber. Mas outras virão.




Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:16
link do post
4 comentários:
De Sofia a 31 de Março de 2008 às 11:18
LOL (tu sabes o motivo do meu riso!)

Aninhas, um, dois, três... um de cada vez. Ao fim de tantos dias de ausência, aqui estou de volta, mas já vi que tenho muito para ler!

Boa história a tua com o Manecas, fico à espera das parecerias futuras... prometem!

No Domingo, acordei com o 'tenho saudades de Angola', muito melhor que os hinos ao micro-ondas! Mas parece que lá em casa se ouve o teu blogue, logo de manhã, e com travesseiros quentinhos a acompanhar. E és tu que vives em Sintra! ;)

Um grande beijinho de sorriso enorme
De miguel a 28 de Março de 2008 às 10:38
Estou a ouvir , deliciado, este " Pertu di Bo". Que linda canção, que linda voz tem este Manecas Costa que eu não fazia a mínima ideia que existia; tanta coisa boa que é feita e nós desconhecemos.

E esse "cheirinho" do Represas promete. Linda letra ...

Parabéns , Ana , pelo teu talento e transmite a expressão da minha admiração a esse Manecas, que bem merece ser acarinhado.( depois conto uma a propósito no meu espaço)

E venha o " Observatório" do Pedro ,que, penso, está a tardar. Bem escrito, sempre interessante. E, depois, as minhas "tacadas" até animam. E, garanto, só "bato" em quem gosto!

abraços
De av a 28 de Março de 2008 às 00:48
LOL!
Esmola, Paulo?? Aos pobres??
Migalhas, quer o meu amigo dizer... e aos ricos amigos que me orgulho de ter!
Um beijo

PS: Saudades à família encadernada!
De O Réprobo a 28 de Março de 2008 às 00:25
Estava a ver que esta Casa, nomeada para Blogue da Semana no «Corta-Fitas» tinha deixado de dar esmola, quer dizer, postais aos pobres.
Grato pela disponibilização melómana e parabéns, Querida Ana.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds