Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

Observatório (I)

É comum dizer-se que a vaidade humana é incontornável. Pois bem, sendo humano, tenho por inerência a minha dose de vaidade e, mesmo resistindo a princípio, aqui estou a ‘postar’ pela primeira vez, qual debutante em baile de iniciação.
Mas, por muito pouco vaidoso que possa ser, o que, por acaso, até é verdade, não resisti a comentar um artigo da imprensa da semana passada, que me encheu as medidas, pelas más razões.
Este artigo teve honras de capa da Visão (Edimpresa, favor creditar os royalties de publicidade na minha conta do costume) de 7 de Fevereiro, com o título ‘O Lado Obscuro dos Transplantes’ a encimar uma fotografia do cirurgião Eduardo Barroso, com um de três subtítulos que referia ter este senhor ganho 277.000€ (sim, duzentos e setenta e sete mil euros) em prémios (fora ordenado e outras mordomias) no ano passado.
Entrando no artigo, que cognomeia o cirurgião como ‘O euromilhões dos transplantes’, percebe-se que a lista de espera de transplantes cirúrgicos de várias especialidades tem diminuído (mas não muito, que é para não nos habituarmos mal) não por melhoria de racionalização de serviços e meios, não por melhoria de racios de produtividade derivados de maior profissionalismo, mas sim porque o nosso Estado(zinho) se lembrou, já ao tempo do saudoso (lagarto, lagarto) Guterres, de criar uma lista de incentivos com valores unitários por transplante, qual açougue de preçário à porta, variável conforme o Hospital. O aqui visado é o Curry Cabral, em que um transplante de fígado, pulmões ou medula vale 54.860,00€ (desculpem-me, mas ignorei, por baixo, os trocos), do coração 24.930,00€, pâncreas 14.960,00€, 12.460,00€ por cada cada rim e por aí fora, até à córnea que só vale uns míseros 1.596,00 euritos.
Estes incentivos são pagos ao Hospital ‘transplantador’, sendo que 48% vão parar aos bolsos da equipa interveniente. Em valores líquidos.
Assim, em contas de merceeiro, sai-nos (contribuintes pagantes) mais barato que o vizinho resolva lá o problema dos..., perdão, da córnea, do que aquelas náuseas figadais (em bem te tinha avisado que um bagaço ao pequeno almoço era capaz de não te fazer lá muito bem) que nos saem um balúrdio. A equipa médica é que esfrega as mãos de contente...
Pasmo ainda, e por isso o cognome e aquela ‘massonga’ toda, que o incentivo pessoal deste cirurgião é de 21% sobre o valor arrecadado em cada intervenção (eu, se fosse um dos outros membros da equipa, ficava fu... lo, a ter que dividir 79% por tanta gente, pois até os administrativos também estão no bolo) mesmo, pasmem mais agora, que não tenha saído do sofá cosy da sua casa cosy. E esta, hein? (Ah, Peça, Peça). Pois não é que este senhor já não é director de serviços do Hospital, estando a servir a Nação como Presidente da Autoridade de Transplantação, a convite do nosso (?) Engenheiro, continuando a dar uma perninha, desculpe, mãozinha em situações excepcionais sempre que o arrancam do seu cosy sofá, porque alguma coisa se complicou, o que é raro (em 2007 foram aí uma dezena de vezes), segundo diz, e ainda bem, continua, pois ‘é sinal que estão a conseguir fazer o transplante sozinhos.’.
Não tenho nada contra o Eduardo Barroso, sinceramente. Até o acho simpático e sei que é um excelente cirurgião. Também gosta de charutos, é um bom garfo e gosta da boa vida. Como eu. E até, dito pelo próprio, acha estes incentivos um exagero. Como eu. Até já disse à administração do hospital que, a manter-se este ritmo de transplantes, ‘temos que diminuir o tecto dos prémios’. Se o não fizerem, digo eu, não vai saber o que fazer a tanto dinheiro, digo eu. Até já deu instruções para lhe baixarem a sua percentagem em 3%.
É mais um ‘gajo porreiro, pá’. Como eu.
Pedro Silveira Botelho
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 13:00
link do post
12 comentários:
De conselheiro acácio a 17 de Fevereiro de 2008 às 23:19
O PSB tem muito por onde escolher, com o actual estado de coisas que para aí vai. Só desgraças. Fico á espera de lê-lo.
De av a 17 de Fevereiro de 2008 às 19:53
Parece que passaste na prova de fogo com distinção, Pedro. Nada que eu não soubesse já, mas fico contente. Vai já pensando nos próximos temas...
De PSB a 16 de Fevereiro de 2008 às 01:24
Fico corado com tanto elogio e agradeço (e o meu ego também manda cumprimentos) aos desconhecidos, conhecidos e anónimos que manifestaram estas opiniões de incentivo. Que só aumentam a responsabilidade futura... que aceito pelo gozo que me dá.
Beijos e abraços para todos e um especial para ti, Ana.
De av a 16 de Fevereiro de 2008 às 00:13
Obrigada a ambos, por mim e pelo novo colaborador.
De Anónimo a 15 de Fevereiro de 2008 às 20:45
Este blogue está cada vez mais interessante. Já não passo sem vir aqui todos os dias, e agora ainda mais com este Observatório de luxo. Muito bom.
De Contra-corrente a 15 de Fevereiro de 2008 às 20:41
Excelente texto, sim senhor.
Parabéns à nova aquisição do blog.
De Sofia a 15 de Fevereiro de 2008 às 15:00
Que bela colabora�o que tu arranjaste, menina Ana!

Eu j� o sabia uma gra�a na fala, mas assim na escrita � para mim uma revela�o!

Gostei sim senhora... pode continuar a ser vaidoso!

beijinhos aos dois
De redjan a 14 de Fevereiro de 2008 às 21:42
1º post ???

Irra, dasssssss, venham mais ! mas sem alcavalas tipo cosy sofá .. right ?

PS: E cérebros, não se transplantam ? Talvez que a lista de espera enturmasse alguns dos nossos mediocres notáveis !
De av a 14 de Fevereiro de 2008 às 20:06
Capitão, dou a palavra de agradecimento ao Pedro. Mas concordo contigo, ou não o teria convidado para esta parceria.
De av a 14 de Fevereiro de 2008 às 20:05
Meguita, que bom ver-te por aqui outra vez! É bom sinal, minha amiga... fico feliz por ti.
Amei a visita, querida.
Claro que espero pelo correio, com muito gosto. Quero ver o que vem aí! Falei só porque às vezes há extravios entre Portugal e o Brasil.
Quanto a elogios, os teus são para fazer qualquer um corar de orgulho porque são de alguém que sabe sempre muito bem o que diz (Pedro, podes gabar-te de ter tido um elogio da "rainha da blogosfera", logo no primeiro post... não é para todos! A minha querida Meg é só... crítica literária! Entre muitos outros predicados, é claro.)
Não tenho tido muito tempo para blogar, por isso não tenho aparecido muito lá pelo sub-rosa. Sabes como ando ocupada. Mas volto, assim que puder.
E tu volta sempre, amiga.

Um grande beijo atlântico

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds