Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

Topo de Gama


Na mesa de café ao lado da minha, duas adolescentes típicas: muitos risinhos abafados, muitos olhares de esguelha, muitos sinais em código. E uma conversa cifrada, em tom velado, entrecortada por suspiros e gargalhadinhas nervosas.

Fico curiosa e sigo-lhes as olhadelas disfarçadas, para ver a causa de tanta agitação: lá está ele, um patético don juan de quinze anos, de calças a escorregar pelo rabo inexistente, borbulhas indisfarçáveis e uma melena oleosa. Sozinho, ao balcão, parece "da casa" pelo à vontade da pose. Olha de vez em quando as miúdas, ostensivamente, com um ar distante e castigador (o mais aproximado que consegue do martini boy da fantasia delas) e a coisa parece estar a correr-lhe bem. O crescendo de excitação que provoca é evidente para qualquer um. Às tantas, uma delas não se contem e comenta, de modo a que ele a oiça:
- Ó pá, Tânia, o gajo é mesmo topo de gama!
Volto a olhar o Casanova de pacotilha em versão imberbe - deliciado, é claro, com o efeito dramático do seu infinito charme - depois as miúdas, e pergunto-me muito seriamente se também eu terei já feito, um dia, estas figuras. Claro que fiz. Talvez não tão explícitas, que os tempos eram outros, mas nesta idade as hormonas mandam em nós como gente grande. Saio a sorrir e a pensar com os meus botões:
Topo de gama??? Topo de Gama era o Vasco!


publicado por Ana Vidal às 23:07
link do post
18 comentários:
De Anónimo a 24 de Maio de 2008 às 00:17
Loles... topo de gama... eheheh, bem caçada Ana ;)
De DaLheGas a 24 de Maio de 2008 às 00:18
loles, sou eu, ehehehe
De Ana Vidal a 24 de Maio de 2008 às 00:23
Miúda, que surpresa! A que devo a honra da visita?
Gosto muito de ver-te por aqui... quando combinamos mais um jantarinho?
De DaLhe a 24 de Maio de 2008 às 16:31
Oh, esta coisa da Rita fazer um blog levou-me ao teu.
jantarinho... temos que tratar. a coisa dispersou-se completamente.
E eu ando doida atrás do teu livro que comecei a ler no dia que mo deste e não sei onde o enfiei. E estava a gostar tanto. Escreves tão bem, e a historia estava a interessas-me tanto. Ele há-de aparecer. Ainda não vi as mochilas, agora de repente lembrei-me dessa possibilidade. cheira-me que pode estar numa delas...
abraço Anita querida. Vou passar visitar-te.
De Ana Vidal a 25 de Maio de 2008 às 00:03
Deixa... levo-te outro no próximo jantar, se não o encontrares entretanto.
E volta sempre, claro. Gosto de ver-te por aqui.
Beijo
De mike a 24 de Maio de 2008 às 00:32
E quem era o Vasco? Aquele peneirento do Liceu? Aquele que usava calças a escorregar pelo rabo inexistente e borbulhas indisfarçáveis? :)
De Ana Vidal a 24 de Maio de 2008 às 00:51
Não, as calças do Vasco da Gama eram mais estilo balão, por acaso. Não se pode dizer que o favorecessem muito, lá isso é verdade.
Por acaso, agora que falou nisso lembrei-me de um Vasco que me fez suspirar nos meus tempos de liceu...
De mike a 24 de Maio de 2008 às 00:56
LOL
De Luísa a 24 de Maio de 2008 às 01:35
Também me custa admitir que já passei por aí, Ana. Consola-me a convicção de que usava de mais requinte na linguagem. :-)
De Ana Vidal a 24 de Maio de 2008 às 01:44
É verdade, Luísa. Tínhamos essa vantagem, pelo menos.
:)
De Júlia a 24 de Maio de 2008 às 08:18

:-))

eu tinha outras tácticas

fingia que não via.mas ia ao wc vezes demais , para ser vista. hormonas..!!

De Ana Vidal a 24 de Maio de 2008 às 10:33
E eras vista, tenho a certeza! Com esses olhos de gata...
Mas a estratégia era arriscada: será que eles não pensavam que tinhas um problema crónico de barriga???
LOL
De Júlia a 24 de Maio de 2008 às 20:34

deviam pensar, sim, mas não se importavam muito ;-)
beijo

De O Réprobo a 24 de Maio de 2008 às 14:06
Já nem falando nos rapazes, é incrível como os actores que faziam suspirar as Meninas do tempo da minha Mãe e Tias deixam geladas as garinas de hoje. Fiz um inquérito sumário às que ainda me atendem, pelos 25-28 anos, que abaixo nem me dão ouvidos. Taylors, Gables, Flyns, levam todos um Bah! O único que parece deter alguma transversalidade geracional é Gary Cooper.
Beijinho
De Ana Vidal a 24 de Maio de 2008 às 23:58
Mas o que é que esperava, Paulo? Pergunte-lhes pelo Patrick Dempsey ou o Sean Penn, e garanto-lhe que terá outra reacção.
Agora, "garinas" é um vocábulo que eu nunca me lembraria de associar ao seu léxico... muito me espanta!
Beijinho
De O Réprobo a 25 de Maio de 2008 às 11:58
Era uma citação... que funcionou, tão Chocada ficou a Ana, ehehehehe.

Permita-me apenas comentar no sentido de que vejo a táctica da Júlia como a da raposa com as galinhas: fingir-Se desinteressada, pois, pois...
Beijinhos
De -pirata-vermelho- a 27 de Maio de 2008 às 17:21
Que bem descrito! Eque bem interrogado e acabado. É 'isso' mesmo
mas
repare...
surpreendentemente, há 'daquilo' em gente adulta e madura, com maior frequência do que se pensa.
De Ana Vidal a 27 de Maio de 2008 às 20:39
Pois há, é verdade. Normalmente, em gente que nunca saiu da adolescência...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds