Quinta-feira, 9 de Agosto de 2007

O regresso do comendador metralha


Aí temos outra vez o inenarrável comendador metralha, que já não fazia piruetas mediáticas há algum tempo. Tudo pela ribalta, que me parece ser o seu deus de estimação e que, palpita-me, vai ser um dia a sua perdição. Estes frágeis feitiços raramente são fiéis aos feiticeiros.

Desta vez, Berardo exige demissões estratégicas e faz, publicamente, insinuações sobre as reais intenções dos "grandes" do BCP. Ou melhor: as de Jardim Gonçalves, o maior dos "grandes" e seu principal rival na batalha sobre o rumo futuro do maior banco português. E Jardim Gonçalves, que até agora tinha ignorado olimpicamente este militante roedor dos seus calcanhares, perdeu a paciência e ameaçou processá-lo.

Não percebo nada do assunto, nem quero. Mas acho que há limites para a impunidade, e que quem vive a lançar estas atoardas tem que saber enfrentar as consequências. Nem tudo pode ser folclore e pirotecnia.


Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:04
link do post
4 comentários:
De ana vidal a 12 de Agosto de 2007 às 01:47
Não, nada...
Tens razão, não comparar com o meu ratinho. Mas é que este rato é de outra espécie: é do esgoto.
De rv a 12 de Agosto de 2007 às 01:40
Desculpa, Ana, não concordo.
Rato não! Que insulto para o "Rato" que conhecemos, prima! Pode ser antes cobra venenosa ?
Este comendador tem um condão de me irritar profundamente. Como ouvi uma vez num supermercado uma mulher dizer para outra, que devia ser a comadre "Dá-se-me cá uma pomada de nervos!"
Nota-se muito ?
De ana vidal a 9 de Agosto de 2007 às 20:27
calado "que nem um rato" é o termo certo, JG. Agora desatou a falar, mas continua um rato. É genético.
De JG a 9 de Agosto de 2007 às 17:01
Esse fulano, que esteve anos calado que nem um rato, entretido a comprar "obras de arte" que, segundo dizem as más línguas, são na sua grande maioria obras menores (sou insuspeito porque ainda não as vi), deu agora em "mandar bocas" a torto e a direito.

Já não nos chegava o Jardim, ainda vem esse "comendador metralha", como lhe chamas, com insinuações e intrigas a toda a hora!!!

Bolas, bolas, bolas!!!!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds