Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Sem rede


Amigos:
Continuo sem net ainda, por isso não tenho aparecido nem respondido às mensagens. Passei hoje por aqui, numa corrida, mas não tenho tempo para mais do que deixar esta explicação. Amanhã, em princípio, já virei aqui com mais calma. E já com rede, espero.



publicado por Ana Vidal às 20:41
link do post
10 comentários:
De Sofia a 4 de Dezembro de 2007 às 16:16
Estamos todos com saudades... mas pelo tempo que estás a demorar a arrumar a casa deves ter mudado para o Palácio da Pena e não nos avisaste!!! Para quando o baile inaugural? LOL
beijinhos
De JG a 3 de Dezembro de 2007 às 10:06
Então? Este post é de quarta-feira, hoje é segunda e ainda sem rede?
Ai, ai, ai ... tou com sódade :)))
De rv a 2 de Dezembro de 2007 às 23:57
Vêem como a língua portuguesa é meeeesmo traiçoeira?
Vê lá se é preciso fazermos todos um abaixo-assinado para teres rede rapidamente. Já temos saudades!
Beijo
Rosarinho
De redjan a 30 de Novembro de 2007 às 23:50
Cheguei em .... mau momento ?
De Lord Broken Pottery a 30 de Novembro de 2007 às 19:17
Ana,
Não se deixe enredar. Você faz muita falta, menina.
Beijo
De Adélio do Tempo a 30 de Novembro de 2007 às 14:00
Sua linda irmã Mad, me passou seu endereço pra fazer uma visita. Se ainda estiver sem a famosa rede que te deixa navegar, te convido pra minha rede com todo respeito na varanda de minha casa. Pra poder dormir e sonhar....
"Da Espanha Nada quero, ao norte de meu peito uma espanhola". Me visita e leia....
Um abraço de colibri!
De Mad a 30 de Novembro de 2007 às 00:39
Ora, depois de tantos anos, já devias estar habituada a viver sem rede!
De JP a 29 de Novembro de 2007 às 19:37
Mesmo assim ainda conseguiste vir aqui escrever qualquer coisinha.

Mesmo assim ainda resolvi vir aqui escrever qualquer coisinha sobre a tua qualquer coisinha.

Moral da história:
Qlaquer coisinha que vem à rede, é peixe.

Beijos.
De Capitão-Mor a 29 de Novembro de 2007 às 18:57
A rede ainda não chegou ao Monte da Lua? :)
De Margarida a 29 de Novembro de 2007 às 13:18
Deixe lá o seu Palácio da Pena e regresse rápido. E sem rede. Assim se quer uma mulher como você. Um beijinho.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds