Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Na minha, não!



Como não tenho tempo para escrever, faço minhas todas as palavras do FAL, do Corta-fitas.
E só acrescento: há pelo menos uma casa neste país, senhor primeiro ministro, onde o seu convidado-maravilha não será recebido: a minha.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 22:54
link do post
9 comentários:
De Bichodeconta a 28 de Novembro de 2007 às 15:14
E na minha certamente..um abraço, ell
De Mad a 28 de Novembro de 2007 às 13:21
Onde andas?
De Anónimo a 27 de Novembro de 2007 às 23:05
Que vazio, as palavra do FAl, não são nem de longe nem de perto tão interessantes como as que se lêem por aqui
Isto de não escrever faz dias deixa um vazio imenso.
Este blog e este "chat" já fazem parte do meu serão.
Todas as noites deito uma olhadela, e todas as noites sou surpreendida, Gosto e pronto.
De JP a 27 de Novembro de 2007 às 18:44
Concordo que o senhor é um alarve de primeira, mas ainda assim estava a pensar convidá-lo para ser o Pai Natal lá do bairro...

Seria um Natal inesquecível.
O pior de sempre, mas inesquecível.

Beijos.
De miguel a 27 de Novembro de 2007 às 08:15
que é feito da blogueira Ana?
De Capitão-Mor a 26 de Novembro de 2007 às 17:55
Vade Retro!
De Anónimo a 23 de Novembro de 2007 às 16:49
Fui ler. Concordo plenamente. E fecho portas e janelas para que esse senhor não tenha a veleidade de se aproximar sequer.
"i casa no es su casa"
VCarla
De Huckleberry Friend a 23 de Novembro de 2007 às 14:01
Na minha tão-pouco. Queremo-la arrumada!
De Lord Broken Pottery a 23 de Novembro de 2007 às 13:04
Ana,
Só gosto de palhaços no circo. O convidado do senhor primeiro ministro também não seria recebido em minha casa. Ditadores militares formam uma combinação perigosa demais. O pior é que não percebem no que esse indivíduo poderá transformar a América do Sul.
Beijo

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds