Domingo, 26 de Agosto de 2007

Boa noite



Ray Charles e Diana Krall - You don't know me
Uma musiquinha para esta noite.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 02:48
link do post
5 comentários:
De ana vidal a 26 de Agosto de 2007 às 17:42
E ainda me há-de explicar como é que chegou tão longe, sem perceber nada de cinema...
De ana vidal a 26 de Agosto de 2007 às 17:40
É o que dá ter amigos da alta, arrasam-nos com a nossa falta de cultura.
Paciência, vai-se aprendendo e, para a próxima, já não confundimos a obra prima do mestre com a prima do mestre de obras...
Vou espreitar o site, prometo.
Mas deixe-me esclarecer um ponto, meu caro: eu não disse que o Almodôvar é o meu realizador preferido (há outros, e tão bons!) esse filme dele é que é e será um dos meus filmes de sempre.
Fique bem também, aí em Hollywood.
De Clint Eastwood a 26 de Agosto de 2007 às 16:35
Fiddler. A música era linda e a história também. Adaptação cinematográfica de um musical do teatro, se me lembro. Até me fez chorar um bocadinho, veja lá. Com as alegrias e com as tristezas. Nada de novo. Até com os meus filmes isso acontece. Olhe, o Million Dollar Baby. Não viu um cantinho do meu olho humedecido? Eu não tenho emenda, sabe, apesar de toda a gente pensar que sou, simplesmente, o durão da maior parte dos filmes em que entrei.

Os Blues. Não me referia ao filme "Ray", mas a uma obra e tanto, coordenada pelo Scorsese, em 2002. Chama-se "The Blues, a musical journey" e foi editada, por esse mundo fora, em DVD (são sete), em CD (a edição que conheço tem cinco discos), em livro e até em discos avulsos. No fundo, ele lembrou-se de pedir a uma série de realizadores, mais e menos conhecidos, que partilhassem o seu gosto pela música e a sua visão dos Blues, para os divulgar junto do grande público.
E há de tudo um pouco, na forma e no fundo.O WW assina o terceiro DVD, na edição que conheço. Chama-se, como lhe disse, "The soul of a man" ("A alma de um homem") e é o que mais me impressionou. Se tivesse que escolher um para oferecer, seria este. O meu, "Piano Blues" (sobre o meu intrumento favorito, que, como sabe, também toco; o tema do Million Dollar, por exemplo, é da minha autoria), talvez não tão conseguido como eu teria gostado, tem a participação, entre outros do Ray Charles, não muito antes de morrer.

Para si e para quem não conheça esta obra, aqui fica um site bem informado:
http://www.pbs.org/theblues/

Em Portugal, a edição e distribuição é da Lusomundo. Não sei se o Público vendeu a colecção, mas ia jurar que a encontra na FNAC.

Assim que tiver e vir o Almodôvar digo-lhe qualquer coisa. Apesar de não receber nada de cinema e, em especial, da filmografia do seu realizador predilecto. Fique bem, entretanto.
De ana vidal a 26 de Agosto de 2007 às 12:10
Obrigada pelas dicas, Clint. Fiquei com vontade de rever o Fiddler, a música era linda. Da história já nem me lembro.
Gostei do "Ray" (é desse que fala?), a interpretação é notável - o Jamie Foxx é que canta tudo, ainda por cima - e achei piada à ideia de ter sido o próprio R. Charles a supervisionar a história, com coragem e sem rodriguinhos.
Onde é que encontro esse episódio do Wim Wenders, que não conheço?
Espero que goste da minha sugestão do Almodovar, é um dos meus filmes preferidos. De sempre. Depois comente aqui, ok?
Saudações cinéfilas.
De Clint Eastwood a 26 de Agosto de 2007 às 09:21
Obrigado pela musiquinha, como lhe chama.
Apesar de a minha noite já ter sido.
Povoada de sons, não por acaso. Revi o "Fiddler on the Roof" (1971). E mais umas coisas, com uma bela banda sonora e uma mulher líndíssima.
Gosto muito de música,como sabe. Numa não muito distante incursão cinematográfica no mundo dos blues, coordenada pelo Scorsese (chamei-lhe "Piano Blues"), achei que devia dar primazia ao Ray Charles, então ainda vivo. Há quem diga que não foi totalmente conseguida.
Mas não perca, se quiser e puder, o episódio do Wim Wenders ('The Soul of a Man"), em torno de Skyp James, Blind Willie Johnson e J.B.Lenoir. A narração, calma e suave, do próprio W.W., apoiada num texto de qualidade, deixa-nos ali, presos, comovidos. Uma intimidade insuspeitada. Um encanto.
Por minha parte, já encomendei o DVD do "Habla con Ellas". Estou cheio de curiosidade.
Tenha a sua noite, que agora termina, sido propícia.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds