Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Lua - 1, Marte - 0


Sinto-me roubada. Estavam prometidas duas luas para hoje e só vejo uma no céu. Linda, redonda e brilhante, mas só uma. Misteriosa, mas só uma. Perturbadora de tão cheia, mas só uma. A sussurrar-me inconfessáveis ousadias, mas só uma.
Há mais de um mês que me chegavam e-mails a recomendar que não perdesse o espectáculo, porque não voltaria a vê-lo, nunca mais, na minha vida (a não ser, claro, que ainda me mude para o Tibete e as autoridades chinesas me autorizem uma reencarnaçãozinha).

Em boa verdade, a segunda lua prometida não era bem uma lua, era Marte. O que tornaria tudo ainda mais interessante: os dois símbolos do feminino e do masculino, reinando nos céus em uníssono e em plena igualdade. Mas nada feito. Os homens não querem nada com mistérios, e por isso Marte não se dignou aparecer. A noite de lua cheia - essa mágica noite que só nós, mulheres, entendemos - continua feminina. Como sempre.
publicado por Ana Vidal às 00:06
link do post
2 comentários:
De ana vidal a 28 de Agosto de 2007 às 12:04
Seja bem vinda, AQ.
As suas histórias são fascinantes e muito bem escritas. Vou voltar sempre, para as ir lendo.

Quanto às duas luas, não sabia que a notícia era falsa. Mas olhar o céu nunca é tempo perdido, pois não?

beijo
ana
De African Queen a 28 de Agosto de 2007 às 11:29
Olá Ana. Passei por cá para agradecer a inclusão do meu blog e gostei muito do seu por isso vou ficar cliente :).
Também fiquei muito contente por saber que houve mais gente esta noite, cheia de expectativa, a olhar para o céu. Cheguei a pensar que eu e o meu amigo eramos os únicos tontos, armados de binóculos e tudo que se tinham dado ao trabalho de ir até um ponto alto da Sé ver o fenómeno astrológico. Um sms de outro amigo a dizer que tinha sido uma notícia falsa desfez o sonho... valeu o passeio por alí à meia noite, numa noite quente e cheia de luz a ver o Douro e a ponte D. Luís, que é tão lindo com uma como com duas luas :).
Um abraço

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds