Quarta-feira, 2 de Abril de 2008

Para afastar as nuvens...

What a wonderful world!

(by Louis Armstrong)

(by Eva Cassidy & Katie Melua)

I see trees of green, red roses too

I see them bloom for me and you

And I think to myself what a wonderful world.

I see skies of blue and clouds of white

The bright blessed day, the dark sacred night

And I think to myself what a wonderful world.

The colors of the rainbow so pretty in the sky

Are also on the faces of people going by

I see friends shaking hands saying how do you do

They're really saying I love you.

I hear babies crying, I watch them grow

They'll learn much more than I'll never know

And I think to myself what a wonderful world

Yes I think to myself what a wonderful world.

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 00:20
link do post
13 comentários:
De av a 4 de Abril de 2008 às 20:24
Querida Meg, nesta casa - que é tua - podes fazer e dizer TUDO o que quiseres. Nada de timidez forçada, portanto.
Não, não recebi os mails, cariño...
:(

E nada de nuvens, ok?
"except that moonlight cloud, to which I looked with thee"...

beijinhos
De Meg (sub Rosa) a 3 de Abril de 2008 às 19:34
Meu anjo, "eu por aqui"?! Eu estou sempre! Acredita. Sabes. E como sempre com admiração e orgulho.
Nananinanão, não digas que exagero;-) It hurts!
Se às vezes (pouquíssimas) não comento, a minha querida blogueira, Poeta e *CONTISTA* e guionista e agora com aquele belíssimo texto que usávamos chamar "prosa poética" etc..;-)))
sabe bem por que.
Sou tímida ou *tenho de* sê-lo, digamos, lembra?
Nevertheless, you've got some mails.
Have you received, minha niña.?

Mas sim, sim, as nuvens ora passam ao largo, ao alto, ou profundo, como no poema de Elizabeth Barret Browning.

Carinho e beijinhos
De av a 2 de Abril de 2008 às 23:47
Once, em mim também tem esse mesmo efeito: comove-me. E também prefiro a versão original (é difícil bater o Armstrong) mas esta da Cassidy e da Melua também está linda. Precisamos de coisas assim de vez em quando, ou a vida fica muito pesada!

Meggy, tu por aqui é que é uma boa notícia! Não precisas de fazer mais nada, basta que apareças porque já é muito bom sinal. Ofereço-te esta música para as tuas nuvens, que as minhas já vão altas...
Sobre a confissão: não me espanta nada. Com a tua sensibilidade, só podias gostar de animais.

Capitão: O mundo é belo, mesmo, apesar dos pesares. Bom, nem sempre é assim, claro... mas o problema está quase sempre nos nossos olhos.
De Capitão-Mor a 2 de Abril de 2008 às 21:14
De facto este música transmite-nos sempre uma paz de espírito e dá-nos sempre a esperança que o mundo é belo e que melhores dias virão!
Abraço
De Meg (sub Rosa) a 2 de Abril de 2008 às 18:16
Ana,
Nuvens?
Posso fazer algo?
Sabe que pode contar comigo, ainda que seja tão pouco o que posso.
By the way,
Assinei a petição (post abaixo) e falei com todos os meus amigo.
Uma confissão sou absolutamente apaixonada por animais.
É um lado que não propago, mas que é fortíssimo e atuante
Beijos
M.
De Once In a While a 2 de Abril de 2008 às 12:37
a mim que se me humedecem os olhos sempre que a oiço na versão original, e fã que sou do doce tom de Melua .. não sei se lhe "perdoo" esta cara Ana .. ;)
Brincando .. * e grata
Beijinho
De av a 2 de Abril de 2008 às 12:30
Já desandaram, sim, Huck. O céu nem sempre está limpo por aqui, mas eu não o deixo ficar assim por muito tempo. Obrigada pelo sopro.
beijinho
De Huckleberry Friend a 2 de Abril de 2008 às 11:52
Não sei se me comove mais a voz do Armstrong, o dueto póstumo de mulheres que me arrepiam ou a beleza simples e depurada desta música. Sei, isso sim, que quaisquer nuvens (invisíveis?) que por aí andassem já desandaram para longe. E se não, mando daqui um fôlego extra para soprá-las... beijinho.
De av a 2 de Abril de 2008 às 11:32
Sofia,
Beijos à "família lemon curd", miúda. Tenho um presente para ti, mas é surpresa.
De av a 2 de Abril de 2008 às 11:31
Paulo, já vou espreitar o remédio ao... Pingo Doce?
Bjs

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds