Sábado, 2 de Junho de 2007

Espelhos


Chega de política.
O assunto é desinteressante, embora haja quem consiga transformá-lo quase em música.
Mas não eu.
Para afugentar a nossa triste realidade, deixo-vos mais um poema.
Desta vez, ainda fresquinho: acabado de sair no novíssimo livro Ante-sala, de uma grande poeta brasileira, uma amiga que muito prezo e admiro:
Astrid Cabral, aqui muito bem acompanhada por mais um dos meus pintores favoritos: René Magritte.

CONHECER-SE

A gente se despe
em frente a espelhos
e ousa enfrentar-se.

Porém, não há mesmo como ver-se,

blindada a alma
e as costas inalcançáveis.

Somos opacos.
Translúcidos, apenas a radiografias.
Contudo, resta a ânsia
de bem nítido nos vermos,
na dimensão do real.
Mas, por mais que nos olhemos,
o eclipse é sempre total.

Astrid Cabral, in Ante-sala

Nota:
Finalmente descobri como revelar as fontes das imagens publicadas neste blog. E pronto: o seu a seu dono.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 18:28
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds