Domingo, 14 de Outubro de 2007

PAZ à sua alma


Ou melhor, à do espírito que presidia, até há uns anos, à atribuição do Nobel da Paz.
Porque esse morreu, certamente.
E o seu herdeiro não me convence.
publicado por Ana Vidal às 13:13
link do post
6 comentários:
De ana vidal a 16 de Outubro de 2007 às 02:51
Talvez tenhas razão, Pedro, e eu esteja a ser mais papista que o papa. É verdade que as questões ambientais estão directamente ligadas à paz ou à sua ausência, e podem ser fulcrais num futuro muito próximo. Toda a atenção que se chame para elas é importante. Mas talvez o problema seja a ideia romântica que eu tenho do prémio Nobel da Paz, que exclui, para mim, qualquer hipótese em que as motivações dos candidatos não sejam exclusivamente altruístas e acima de qualquer suspeita. Neste caso, esta campanha (e este prémio foi a cereja em cima do bolo) garantiu a Al Gore uma enorme notoriedade e uma posição muito confortável na corrida à Casa Branca, que ele vai com certeza capitalizar a seu favor. E talvez seja isso que me incomode.
E já agora, para ser completamente mazinha, dizem os opositores de Al Gore que ele era vice-presidente dos EUA quando este país recusou assinar o compromisso de Quioto...
De Pedro a 15 de Outubro de 2007 às 14:12
O prémio não me convence, Ana, mas não será verdade que abordar e tentar resolver os problemas ambientais e limitar os efeitos do aquecimento global pode contribuir para a paz? As consequências das mudanças climáticas não poderão ser geradoras de guerra? Sempre ouvi dizer que as guerras do século XXI vão ser motivadas pela água... embora o que Al Gore faz não baste para evitá-las - e, repito, o prémio não me convença -, a ligação entre ambiente e paz faz algum sentido. Beijos.
De ana vidal a 14 de Outubro de 2007 às 18:43
Grande beijo para ti também, PP. Já tinha saudades.
De pedro sanchez a 14 de Outubro de 2007 às 18:26
Concordo Ana, talvez lhe servisse o da Física, mas nem esse. Enfim andamos loucos, nós ou os Deuses, já não sei.
Bjs, pp.
De ana vidal a 14 de Outubro de 2007 às 15:48
Porque me parece um absurdo atribuir este galardão a pessoas que não se bateram pela paz, e DE FORMA PACÍFICA. Arafat e Ramos Horta, por exemplo. No caso do Al Gore, então, não entendo mesmo. Sei que não há um Nobel para o Ambiente, mas... o da Paz, porquê? A sensação que tenho é que este prémio se transformou num instrumento político por excelência, e tenho pena. Abro uma honrosa excepção para Muhammad Yunus, que se bateu desinteressadamente pelos direitos humanos e melhoria de vida (e logo, pela paz) de um dos povos mais pobres do mundo - o do Bangladesh, quando poderia ter ficado confortavelmente na sua Universidade americana. São esses que eu admiro, Margarida, como Ghandi e Madre Teresa, outros dois exemplos.
De Margarida a 14 de Outubro de 2007 às 14:29
Porquê, Ana?

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds