Terça-feira, 4 de Março de 2008

Rótulos


Politicamente, sei que estou exactamente onde quero estar quando os amigos de direita me acham esquerdista, e os de esquerda não têm dúvidas de que sou de direita.

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 15:55
link do post
6 comentários:
De JuliaML a 5 de Março de 2008 às 18:12
sinto o mesmo! Aliás acho até demodé a classificação esquerda/direita. Logo após o 25 de Abril é que havia a imperiosa necessecidade de demarcar as ideias e as rotular.
De av a 5 de Março de 2008 às 09:30
Melhor ainda, caro Espumante.
Embora o "centro" seja ainda mais difícil de definir do que a esquerda e a direita...
De espumante a 5 de Março de 2008 às 08:12
E quando os amigos do centro te acham do centro?
:)
De av a 4 de Março de 2008 às 19:33
Caríssimo Réprobo, ora aí está uma definição inteligente e interessante. Parece-me que é isso mesmo que se passa comigo também, e nunca tinha pensado na coisa desse prisma. O que eu aprendo com os meus doutos comentadores!
Um beijinho

João Paulo,
Idem para ti (circular, cíclica e cínica, é verdade), com excepção do futebol, que não me ensina nada que eu queira aprender...
Um beijo também
De João Paulo Cardoso a 4 de Março de 2008 às 19:24
Politicamente, cada um tem um GPS dentro de si.
Só há que ter em conta que não há um destino.
A politica é, muitas vezes, circular e cíclica (e cínica).

Muito parecida com o futebol, aliás.
Por isso "O Eldorado" publicou hoje um "Curso Acelerado de Futebol para Meninas".

Beijos.
De O Réprobo a 4 de Março de 2008 às 19:16
Eu não sei que coisa é ser de Esquerda ou de Direita. Costumo encontrar-me à Direita da maioria das pessoas com que privo nas questões político-morais e à Esquerda nas económico-sociais. Habituei-me a ser definido como direitista, o que talvez seja indício de a armação normativa e a moralidade terem idealmente nos espíritos alguma prioridade sobre o dinheiro e as vidinhas.
Nem tudo estará perdido, pois.
Beijnho, Querida Ana

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds