Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

15.000


15.000 ventos já passaram por esta porta, diz-me o contador que está lá em baixo.
Obrigada a todos, sejam brisas suaves ou nortadas mais agrestes. Começo a sentir uma certa responsabilidade em tudo o que digo aqui...
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 22:33
link do post
8 comentários:
De av a 7 de Fevereiro de 2008 às 09:31
Obrigada, miúda. Sei quem és, sim. Descubro-te facilmente, mesmo com "pseudónimos possidónios"!
Beijinhos
De Sofia a 7 de Fevereiro de 2008 às 00:47
Parabéns menina... já estás a ficar muito famosa! E olha que a este teu blogue eu terei sempre um carinho muito especial, por tudo o que já por ele passou... pelas Codornizes, por Madrid, pelo contaminador Pedro Guerra, pelos aforismos, pelos teus dizeres, pelas tuas graças, pelas poesias que me recordas e que me dás a conhecer e por tantos presentes que eu já tive aqui, só para mim!... dancei muito ao som deste teu cantinho e cantei ainda mais... e por tantas ou tantos que já fui neste blogue... e tu sabes sempre quem sou! I hope so!

besos muchos
De av a 5 de Fevereiro de 2008 às 22:01
Mariav,
E tens razões para isso!

SC,
É um mero "afago de ego", que sabe bem e não faz mal a ninguém. Só isso, porque é completamente irrelevante.

Peri s.c.,
Obrigada, meu amigo. Esses ventos cruzam o Atlântico nos dois sentidos, não duvide.

Beijos
De peri s.c. a 5 de Fevereiro de 2008 às 21:50
Inclusive alguns ventos que atravessam o Atlântico, mesmo com as calmarias.
De SC a 5 de Fevereiro de 2008 às 12:03
Senti o mesmo no meu primeiro blog, entretanto fora de cena, e, também por isso, neste, em que escrevo agora, não quero saber quem, nem quantos, me lêem. Poucos, certamente. :)

Parabéns!
De MariaV a 5 de Fevereiro de 2008 às 02:33
Ena, parabéns, prima! 15.000! E eu tão contente com os meus 800!
Bjs
De av a 4 de Fevereiro de 2008 às 23:28
Olá, Teresa.
É verdade. Eu, pecadora, confesso que acho graça à ideia de ser lida por desconhecidos (os amigos ajudam à festa, claro, mas não tenho assim tantos nem com tanta paciência que venham aqui só para fazer número...).
Não monto estratégias para conquistar visitas, nem sei como isso se faz, mas gosto de saber que as visitas vão aparecendo. Por isso instalei o contador, uns tempos depois de ter o blog (a princípio nem sabia que isso existia).
Claro que é uma perfeita futilidade - e também algum narcisismo, mas esse está presente em todos os bloggers - mas, como dizes, é completamente inofensivo. Por isso sejamos parvas e admitamos que nos faz bem ao ego esta massagem. Porque não?
E 15.000 visitantes não é nada de especial. Mas pelo menos é um número honesto, que eu não conto as minhas próprias visitas e arranquei mesmo do zero, ao contrário de "certas e determinadas pessoas", como diriam os Gatos... LOL

Um beijo
De Teresa a 4 de Fevereiro de 2008 às 23:10
Parabéns!
15 mil são obra! E só desde Abril (fui espreitar)! Eu levei quase um ano a chegar aos dez mil. É certo que nos primeiros quatro ou cinco meses quase não pegava na Gota, dedicava-me só ao blogue do Liceu, a Gota foi servindo quase exclusivamente para datas especiais, como o aniversário de Oscar Wilde ou o 80.º da minha querida Dame Joan Sutherland. Aliás tenho ideia de só em Janeiro ter instalado o contador, o que em muito pouco deve ter falseado os números, já que as visitas diárias contavam-se pelos dedos de uma só mão.

É engraçado como nos afeiçoamos a estes nossos cantinhos, não é? E, coisa mais engraçada ainda, como nos alegramos com o número de visitantes - consta por aí que há quem desenvolva estratégias e monte autênticas campanhas para angariar visitas.

Ainda há pouco falava eu no msn com a minha amiga Diabba, que foi a minha primeira visita regular e é hoje uma boa amiga e por acaso (que cada vez mais raramente falamos da blogosfera) calhou comentarmos o n.º de visitas, apenas porque o marido dela está empenhado em ultrapassá-la. Ela é das poucas pessoas que conheço que não liga um tostão furado ao contador, que de resto só instalou quando o blogue já tinha mais de um ano. Já eu, confesso meia encavacada, fico toda contente. Parvoíce, bem sei. Mas fico. E vejo que tu também. Sejamos parvas, portanto. É inofensivo :)

Um beijo.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds