Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

As gaffes de Bush


Ainda estou de boca aberta com aquela notícia sobre o presumível roubo do relógio do sr. Arbusto (não merece, sequer, ser árvore), durante o banho de multidão na sua visita à Albânia.
Todos os media a comentaram largamente por esse mundo fora, e o inestimável YouTube encheu-se de preciosos videos exemplificativos. Não vou ilustrar com nenhum deles este post. Já chega. Além disso, é-me indiferente que o relógio tenha sido roubado ou não.
Venho apenas lembrar um simples pormenor, porque muito me espanta que ninguém tenha reparado nele (pelo menos, que eu tenha tido conhecimento): A Casa Branca, onde vive o sr. Arbusto, no seu infatigável papel de tapa-buracos nas inúmeras tropelias do dito, apressou-se a dizer que o relógio afinal não tinha sido roubado, que o povo albanês podia manter intacta a sua imagem pública porque o presidente, cautelosamente (!!!!), tinha tirado ele próprio o valioso relógio do pulso e o tinha guardado no bolso, antes de mergulhar na multidão que o queria abraçar.
Magnânima colher de chá oferecida à Albânia? Não, não, muito pelo contrário.
Na infinita e proverbial arrogância do costume, a Casa Branca do sr. Arbusto não parece ter-se apercebido de que esta justificação era ainda muito mais ofensiva para o povo albanês do que a simples admissão da existência de um carteirista no meio de uma multidão (coisa absolutamente natural, em qualquer parte do mundo). A Casa Branca esqueceu-se, lá no pedestal do seu autismo, de que o sr. Arbusto estava, com esse gesto preventivo, a presumir que a Albânia era, toda ela, um país de ladrões!!!!!!
Como gaffe diplomática, não está mal. Mas também é verdade que ele já fez outras, bem piores...

Nota: Esta história lembrou-me um filme já antigo, uma óptima comédia de auto-crítica aos bastidores da política americana - Manobras na Casa Branca. A trama conta a criação, orquestrada pelos media, de uma guerra fictícia como manobra de diversão para encobrir um incidente pouco abonatório e muito inconveniente para o presidente eleito, em vésperas de novas eleições. O cenário escolhido para a guerra inventada é precisamente a Albânia, aquele insignificante país que talvez só agora os americanos (e não todos, certamente) tenham passado a saber apontar no mapa.
Razão tem Rita Lee: Tudo vira bosta (com Bush, acrescento eu)


publicado por Ana Vidal às 10:08
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds