Domingo, 11 de Outubro de 2009

Adivinhe quem vem jantar?

 

Luísa

 

Abrimos os salões da Porta às sete, à hora do fecho das urnas – fazendo, desde já, votos para que as mesmas entrem em sono letárgico por muitos e santos Outonos, que de votações estamos de papo tão cheio, quanto de nervos franjados. É, aliás, para aliviar os efeitos desta deplorável «season» eleitoral, que vamos apostar num jantar ousado, inspirado na obra de alguns dos melhores «chefs de cuisine» da actualidade, um jantar que nos prenda os braços e a atenção a tachos e panelas, e sobressalte os cinco ou seis sentidos aos nossos convivas, permitindo desvalorizar as derrotas políticas que ainda houver que engolir. Estejam, de resto, descansados, que a nossa experimentação no domínio das correntes culinárias de vanguarda e das suas referências essenciais, a leveza, os sabores naturais e os produtos de qualidade, resistirá à tentação da caricatura do prato gigante com a ervilha biológica ao centro. Como portuguesas, sabemos como é importante forrar adequada e abundantemente os estômagos.

 

Entraremos, portanto, «a matar» com um «shot» de melão e pêssego com amêijoas marinadas, perfumado com coentros em grão. «Divertidos» os palatos com este promissor «amuse-bouche», propomos o conforto apaziguador de uma sopa quente de castanhas com aipo e natas batidas, guarnecida com o luxo discreto de umas trufas brancas de Alba, e ainda uma entrada de «carpaccio» de pato, enfeitado com gomos de citrinos e temperado com flor de sal e hortelã.

 

O tom está dado para um «conduto» que combine requinte e alimento: não resistimos, por isso, a testar-nos no desafio da confecção de um pregado suado em Porto seco, com xérem de arroz e cadelinhas, não obstante sentirmos dificuldade em decifrar umas quantas instruções da receita. Sugerimos, para o pregado, o acompanhamento de um branco do Douro Dona Berta, Vinha Centenária, Reserva 2008. Outro desafio será a preparação do «velho Ápis» em lascas de lombo, chambão e pivete («vulgo» rabo) emaranhadas no que o livro qualifica de «ilustre reunião». Parece-nos uma iguaria forte, que faremos acompanhar com feijão verde e batatinhas novas, colorir com ovos de codorniz e regar generosamente com o tinto ribatejano Quinta da Alorna, Reserva 2007, um vinho de aromas intensos e corpo redondo e equilibrado, que casa bem com carnes já «ilustremente» casadas.

 

Para sobremesa, reservamos a solução fresca e consensual de uma trouxa de maçã verde, mel, canela e nozes com gelado de baunilha, que não nos complique com o «sistema», por esta altura decerto sobrecarregado de afazeres digestivos nas duas frentes de batalha da mesa e do pequeno ecrã. Rematamos com o café e a nossa panóplia de maltes e licores, não esquecendo o bom havano para os apreciadores e o sortido fino de chocolates belgas.

 

Quanto ao nosso convidado-surpresa…

(Ai, Ana, que me esqueceu de o convidar!)

 

 

publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
20 comentários:
De Ana Vidal a 11 de Outubro de 2009 às 12:49
Ora, Luísa, com este magnífico repasto, who needs special guests? Fica todo para nós, que temos muito que conversar e cortar em muitas casacas...
Consideremos o jantar de hoje como uma espécie de ensaio geral para o que aí vem. Sugiro que seja a Luísa a fazer a acta desse momento histórico para a posteridade. Pode ser?

De Luísa a 11 de Outubro de 2009 às 13:07
Ai, Ana, a minha memória anda como vê. Mas posso tentar. :-)
De fugidia a 11 de Outubro de 2009 às 16:13
Eu ia sugerir isso, precisamente: fica para ensaio!
:-)
De Luísa a 12 de Outubro de 2009 às 18:04
Meu Deus, Fugi. Se precisamos de ensaio, já estou a tremer. ;-D
De Si a 11 de Outubro de 2009 às 17:27
Eu sigo a sugestão da Ana e da Fugi, aproveitemos este lauto repasto para tirar a barriga de misérias, antes que as nódoas do vinho tinto e os pingos do mel alertem os 'glutões' que, confirmada que seja a sua permanência ou conquista dos círculos eleitorais, logo esquecerão os sorrisos e os bailaricos, para sairem disparados da embalagem do retrógrado 'Presto', em direcção a uma nova limpeza, brilhantíssima, espera-se, pelo menos no que diz respeito a erários públicos.... ;)))
Tchin, tchin!!
De Luísa a 12 de Outubro de 2009 às 18:19
Concordo, Si. Não deixemos aos «glutões» mais do que uma ou outra involuntária nódoa de vinho, um ou outro inadvertido pingo de mel. Gordos já eles são e com tendência para a obesidade. ;-)


De JdB a 11 de Outubro de 2009 às 18:50
O que posso dizer, Luísa... Talvez que se me foi salivando a boca com as várias vitualhas. Quando dei por mim, já no fim do repasto lido, dei por mim a pensar: Deus queira que não haja convidado, Deus queira que não haja convidado..
E não é que não havia mesmo? Ufa...
Conte comigo...
De JdB a 11 de Outubro de 2009 às 18:53
"dei por mim" duas vezes na mesma frase. Vê o que faz a água na boca? Arruina-nos o português escrito. Mas que maçada...
De Luísa a 12 de Outubro de 2009 às 18:26
João, ainda bem que assim pensou. Eu também pensei que esta noite pedia mais a serenidade e o consolo amigos dos nossos «habitués» do que a excitação de um convidado surpresa. Para podermos dizer bem e mal, comentar e desabafar, rir e chorar à vontade. ;-D

De mike a 11 de Outubro de 2009 às 23:06
Já estou como a Ana e apoio-a. Quem quer saber quem é o convidado com uma ementa que a Luísa tão deliciosamente descreve e com a vossa companhia? Conte comigo e oxalá mantenha a amnésia. :D
De Ana Vidal a 11 de Outubro de 2009 às 23:13
Nem mais, Mike. Foi uma amnésia providencial...
De Luísa a 12 de Outubro de 2009 às 18:28
A verdade, Ana e Mike, é que esta noite só me apetecia estar convosco (ou com o nosso blogobairro, como diria a Patti). ;-)
De mike a 12 de Outubro de 2009 às 20:53
Be our (special) guest, Mrs. Luísa.
(Posso falar por ti, Ana?)
De Ana Vidal a 12 de Outubro de 2009 às 21:10
Claro que podes. A Luísa é sempre a nossa conviva de luxo!
De patti a 11 de Outubro de 2009 às 23:26
Eu também me faço desde já de convidada.
E xérem é comigo mesma!
De Luísa a 12 de Outubro de 2009 às 18:29
Está sempre antecipadamente convidada, Patti. Melhor dizendo, é dos da casa... ou do bairro. ;-)
De mike a 12 de Outubro de 2009 às 20:54
Isto está a cheirar-me a "graxa"... é que a Patti é a presidenta... (risada)
De Ana Vidal a 12 de Outubro de 2009 às 21:11
És sempre bem-vinda, mesmo quando só há jaquinzinhos.
:-)
De imprevistoseacasos a 13 de Outubro de 2009 às 20:24
Ainda vou a tempo, Luísa?

bjs :)
Fernanda
De Luísa a 14 de Outubro de 2009 às 15:02
Sempre, Fernanda. :-)))

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds