Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

Pocket Classic (O crime do padre Amaro)

Marie Tourvel

 

 

Outro Eça de Queiroz. Outro crássico do português influenciado pelo realismo dos autores gauleses de sua época. Eça é bom à beça. Rima pobre, porém, limpinha. Em minha opinião, bilionário, Eça foi o melhor escritor português de todos os tempos. Vocês podem argumentar, mas não toquem no nome de Saramago, pelamordedeus. Nem comendo muito arroz e feijão ele chega perto. Ao resumo:

 

Padreco sem vocação e medíocre da cabeça aos pés come uma tola paroquiana. Dá merda, mas não para o padre.

 

Nas rodinhas você se sairá muito bem, não se preocupe. Este é um livro fácil de comentar e os intelequituais não vão aporrinhar-lhe muito. Já comece falando que o romance é um ataque mordaz à hipocrisia religiosa e à pequenez da vida na província. Diga que o mais importante do Realismo foi substituir o subjetivismo romântico pela descrição da realidade externa. Arrasou, bilionário. Leia novamente a frase sobre o Realismo. Leu? Na primeira vez que leu pareceu meio difícil de decorar, né? Mas na segunda você pôde perceber a obviedade da frase. Não? Deixa pra lá. Fale que Eça tinha a intenção de pintar um quadro crítico da vida portuguesa. Não esqueça de comentar sobre as críticas que recebeu, inclusive de Machado de Assis. Os críticos diziam que Eça plagiava Émile Zola com seu Realismo de estilo Naturalista. Mas o autor não se fez de rogado e respondeu aos críticos com categoria. Daí foi inaugurado, em contraponto ao Realismo de estilo Naturalista, o Realismo Psicológico. Mas aí não entre muito no mérito porque é papo para muito tempo. E como você sabe, bilionário, tempo é dinheiro. Passe para outra rodinha. Como? Rodinha falando de Paulo Coelho? É que você foi para a rodinha de admiradores do presidente brasileiro, bilionário. Fuja daí que nada vai agregar ao seu já um tanto vasto conhecimento. Na outra rodinha devem estar falando de Thomas Mann. Aí agrega.

 

É de praxe eu colocar uma musiquinha nos “Pockets”, certo? Espero que gostem da que eu tasco hoje porque é do R.E.M. que eu adoro:

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
9 comentários:
De Luísa a 6 de Outubro de 2009 às 17:55
Concordo consigo, Marie, que o Eça foi o melhor romancista português de sempre. Embora para mim, «O crime do padre Amaro» seja um dos seus trabalhos menos interessantes e menos apurado. Não sei se não estarei a ser influenciada pelo facto de não apreciar particularmente o tema, ligeiramente deprimente, se pelo facto de ter visto algumas cenas de uma pretensa adaptação ao cinema, muito recente e deprimentíssima! ;-D
Mas, como sempre, delirei com o seu humor, Marie. E não desgosto da escolha musical… ;-)

De marie tourvel a 7 de Outubro de 2009 às 12:00
Luísa, querida, parece que não fez muito sucesso o Pocket do Eça. Talvez porque eu tenha falado em Saramago, sei lá. Mas realmente esta obra não é a melhor do autor. Eu li quando tinha uns 14 anos porque a escola indicou. Fiz prova e tudo. :) Não assisti ao filme, vou procurar. Obrigada pelo comentário.

Um beijo
De Luísa a 7 de Outubro de 2009 às 14:13
Marie, não entenda o meu comentário como uma recomendação do filme!!! Vi muito pouco. E como, no pouco que vi, as personagens apareciam assim como Deus as trouxe ao mundo, não lhe achei graça, nem sequer a da reconstituição do guarda-roupa da época. Aliás, parece que a adaptação é feita com referência aos tempos actuais. O cinema português, Marie, na minha modesta opinião, já entrou, talvez, na era da pedra polida, mas ainda está longe de chegar à idade dos metais. ;-D

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds