Domingo, 27 de Setembro de 2009

Adivinhe quem NÃO vem jantar?

Luísa

 

 

Era o senhor que se seguia na lista, porque há mistérios no seu historial que gostaríamos de desvendar. Nomeadamente, certos mistérios que dizem submersos no lodo da política e talvez mesmo nas nossas águas territoriais. Mas interessava-nos, sobretudo, estudar a sua hiperactividade e compreender o mistério – outro! - da extraordinária energia de que dá provas em condições de campanha; o voluntarismo com que defronta os excessos entusiásticos ou críticos do pequeno comércio ambulante e da pequena lavoura, doutrinando, com incansável espírito de missão, sobre um ideário que parece ter na classe profissional dos taxistas a sua primeira base de inspiração e apoio. Tentámos contactá-lo pelo telemóvel. Mas, infelizmente, a algazarra, do outro lado, pontuada de regateios e pregões num fundo de «muás», inviabilizou qualquer troca de palavras e desistimos do convite.

 

Passámos, portanto, ao segundo candidato: um homem cujo olhar vagamente alucinado, o discurso cuidadosamente soletrado, a altivez intelectual e a pose de grande pregador de altar, convocando o fogo purificador contra os satânicos agentes do capital, interpela a nossa viva curiosidade antropológica. É desta massa, sabemo-lo, que se fazem os fundamentalistas; e é nestes crânios que, em contradição com as suas costumeiras concepções igualitárias, germinam umas incompatibilidades «manientas», umas fobias sociais. No caso do nosso candidato, o objecto delas sendo, surpreendentemente, não a já mencionada classe dos taxistas, pelo motivo aceitável do seu vernáculo realmente hostil, mas a classe das técnicas de vendas de pescado fresco, pelo motivo inexplicável do seu vernáculo inofensivo, mas pitoresco, tido por pouco «sério». Infelizmente, vimo-nos forçadas a abandonar a hipótese do convite, porque a nossa cozinheira, solidária com as amigas da peixaria, jurou greve.

 

Considerámos, ainda, o terceiro elemento da lista. Movia-nos, na sua escolha, a simpatia que votamos aos homens esforçados, coerentes, espontâneos, alegadamente bons maridos, pais e avós. E o exotismo do contacto com um «último dos moicanos», ou com o sobrevivente de um tempo de fronteiras ideológicas claras e duros mas apaixonados combates, que se apagou com o século XX. Infelizmente, sondado para o convite, declarou-nos que a sua perene luta em prol das classes que detêm empregos - conceito equívoco, que não sabemos se inclui taxistas e peixeiras - conhecia, esta noite, mais um momento de clímax, que não lhe permitia abandonar a legião da Soeiro Pereira Gomes.

 

Assim sendo, porque o dia é o dia que é, resolvemos não fazer quarta tentativa. Demos folga ao pessoal e aqui estamos, fixas no pequeno ecrã, esperando poder discernir, na noite escura que se avizinha, a luz da velha estrela que aponta o Norte. Mas deixamos a Porta aberta para quem queira juntar-se a nós no comentário e no bem ou maldizer; e se contente com os nossos, por sinal saborosíssimos, ovos estrelados. 

 

publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
13 comentários:
De Ana Vidal a 27 de Setembro de 2009 às 14:41
Por mim, Luísa, o dever/direito já está cumprido. Sem grande convicção, diga-se, mas paciência. Agora vem a parte divertida: escolher um sofá confortável e ficar a apreciar os destemperos de um dia como este, aproveitando para a abençoada má-língua. Isso é que eu não perco... mas volto aqui mais logo para os ovos estrelados, está prometido. Até logo!
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:21
Lamento informá-la, Ana, mas os ovos saíram-me completamente esturricados. O que é que se há-de fazer? ;-D
De Ana Vidal a 28 de Setembro de 2009 às 16:33
Ora, Luísa, é perfeitamente compreensível... mas não me puxe pela língua, que eu arranjo num instante um destino para atirar esses ovos... ;-)
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:56
Eu também tinha alguns destinos, Ana, mas não ousei.. :-D
De fugidia a 27 de Setembro de 2009 às 14:45
Ah!, adoro ovos estrelados, se possível com uma boa e refrescante salada. Por isso, contem comigo, sff, de sandalitas de salto alto porque o tempo quente está a terminar e tenho de aproveitar :-D

(uma dúvida: e os outros dois candidatos não vão aparecer quando sentirem o cheiro?; não quereram trazer os apoiantes caso algum vença as eleições?; hum, não será melhor fechar a porta do vento à chave?!) ;-)


Bom resto de domingo :-)
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:27
Uma grande salada foi o que conseguimos fazer, Fugi. Mas uma salada estreme não enche barriga. A ver vamos se nos aguentamos nas sandalitas sem que nos dê a fraqueza. ;-D
De JdB a 27 de Setembro de 2009 às 18:33
Irei ao jantar, Luísa, esperando que não venha nenhum dos cinco, se bem que o partido de um deles levou o meu A4 dobrado duas vezes. Há 100 anos adivinhava-se caspa aos políticos. Agora há o champô, mas adivinho-lhes maçadorice. Venham os ovos estreladas - bem passados para mim, se faz favor.
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:42
João, pode estar descansado, que essa gente já está comprometida neste dia com outros que nunca se maçam com eles, nem mesmo com eventuais resquícios da velha caspa. Quanto aos ovos… podem ser ligeiramente esturricados? Hoje não estou a acertar com o ponto. :-D
De imprevistoseacasos a 28 de Setembro de 2009 às 08:52
Já escrevo depois de o jantar ter ocorrido, mas daqui a quinze dias repita o convite, sim Luísa? Mas desta vez sem ovos estrelados... :)
Levarei uma sobremesa alentejana, lembrando os prazeres conventuais. Que tal?
Beijinhos
Fernanda
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:49
Está combinado, Fernanda. Nesta próxima quinzena, vou alhear-me dos cantos da cigarra e dos labores da formiga, e investir a minha energia pensante na concepção de um jantarinho «comme il faut». ;-)
De mike a 28 de Setembro de 2009 às 11:00
Os ovos podem fazer-se acompanhar com bacon? e podem ser temperados com sal grosso? e... cala-te Mike que já estás a pedir demais... ;)
Só mais uma coisa: já repararam que está calor? pois... sapatos abertos ou sandálias... faço-me entender? ;D
De Luísa a 28 de Setembro de 2009 às 16:54
Mike, se calhar é a si que ponho a estrelar os ovos com todos esses efes e erres. Eu passo-lhe a matéria-prima e lavo – tentando não quebrar – a loiça. Pode ser? :-D
De mike a 28 de Setembro de 2009 às 18:34
É melhor deixar a loiça comigo, Luísa. É que eu sou uma nulidade na cozinha... (sorriso embaraçado)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds