Terça-feira, 8 de Setembro de 2009

Pocket Classic (Almas mortas)

 

 

 

 

 

Marie Tourvel

 

Bilionário, amigo, tratarei hoje de uma obra que levou seu autor, Nikolai Gogol, à loucura. Era pra ser de humor, mas o cara pirou. Que isto sirva de conselho para você. Não enlouqueça com o “balança mas não cai” das ações, ok? Sei que você não enlouquece. Você vive a vida, isso sim. Resumo:
 
Espertalhão sedutor (Tchitchicov) – hoje chamado psicopata, tem uma idéia para ganhar dinheiro. Viaja pela Rússia comprando almas de servos já mortos, mas não contabilizados por recenseadores.
 
Enquanto isso nas rodinhas... você se sairá muito bem, garanto. Pode começar dizendo que à medida que o romance crescia, Gogol começa a querer reanimar o nobre, porém, inativo âmago do povo russo. Diga que Gogol não queria a princípio escrever sobre a Rússia, só queria salvá-la. Sabemos como é isso, não é bilionário? Fale que Gogol queimou a segunda parte de seu livro por uma obsessão messiânica. Ficou 10 anos escrevendo a obra e queimou a segunda parte. Absoluta sacanagem a depressão do autor. Mas mesmo sem o final para sabermos se Tchitchicov se dá bem ou não vale pela oportunidade de ver Gogol brilhar como retratista satírico e caricaturista do modo de agir de tipos russos. Não esqueça de dizer que com esta personagem, o autor criou a figura do “empresário” agressivo. Lembrou de você, não é bilionário? Ótimo, esta foi a minha intenção quando resolvi apresentar-lhe a este livro. Nossos amigos intelequituais olharão para você com a boca aberta. E saia logo desta rodinha porque a moça intelequitual que está de saia longa riponga ao seu lado não depilou as axilas e isso não é legal.
 
(A música que segue não tem a ver com o "Pocket", mas eu estou com ela em minha mente e resolvi compartilhar.)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
12 comentários:
De João Paulo Cardoso a 8 de Setembro de 2009 às 12:00
Neste tempo de eleições (em Portugal), não faltam viajantes a comprara almas de servos já mortos...

Beijos.
De marie tourvel a 9 de Setembro de 2009 às 00:27
Políticos são todos iguais, só mudam de endereço, não é assim, JP? ;)

Beijos
De Luísa a 8 de Setembro de 2009 às 15:30
Não li o «Almas Mortas», Marie. Mas o seu interessante e sempre muito divertido Pocket Classic fez-me pensar se o esquema gizado por Tchitchicov, de compra e exploração financeira das almas mortas dos servos, não será o modelo precursor da economia do século XXI, também ela assente em valores (moeda escritural) sem qualquer substracto real ou correspondência em bens efectivos. Se é assim, é extraordinário como há sempre tão pouca novidade por detrás de cada curva da História. :-)
De marie tourvel a 9 de Setembro de 2009 às 00:28
Tema sempre atual, Luísa, querida. Aliás, Gogol é atualíssimo. :)

Beijinhos
De mike a 8 de Setembro de 2009 às 16:39
Não consegui evitar uma gargalhada logo no início deste seu crássico, Marie. Imaginando o bilionário todinho baralhado, procurando na internet o Nikolai Google. E sorri, por não saber explicar para você porque gostei tanto deste crássico... deve ter sido pelo "viver a vida". :D
De marie tourvel a 9 de Setembro de 2009 às 00:30
Então, Mike, querido, o bilionário foi pro gogol procurar e não encontrou nada.
Viver a vida, porque tem gente que não vive, vegeta. :)))))

Saudades de você.

Beijocas
De agenor a 8 de Setembro de 2009 às 23:14
Querida Marie,
Confesso a minha total ignorância sobre este autor. Nunca li, não conheço a biografia, e por isso o seu Pocket deixou-me curioso.
Segui o conselho do Mike e «googlei» o Gogol [belo trocadilho, Mike :-)]
Veja onde fui parar. Precisamente aqui:
http://www.assirio.pt/livro.php?codigo=077034
Gogol nas palavras de Nabokov.
Encontrei ainda uma crítica do livro do Nabokov aqui:
http://bibliotecariodebabel.com/criticas/anatomia-de-um-genio/
Acabei ainda mais curioso, até porque, no outro dia vi o «Lolita», em destaque, na Fnac, e resolvi dar uma olhadela [influência do seu Pocket, querida] e acabei aditando o livro à minha lista de compras [tenho de fazer uma lista todos os meses, senão rebento o orçamento logo no início... :-( ]
Como vocês dizem aí, acho que estou virando intelequitual e você é a culpada, Marie! :-)
Tudo isto para concluir que gostei muito deste seu . Obrigado.
Beijo e até para a semana

PS: Adorei a musica. Só não entendi por que razão você diz que não tem a ver com o «Pocket». A mim pareceu-me que liga muito bem... :-)

De agenor a 8 de Setembro de 2009 às 23:19
Errata:

... gostei muito deste seu «POCKET» [ «comi» o Pocket mas foi sem querer... :-) ]


De marie tourvel a 9 de Setembro de 2009 às 00:34
Fico muito feliz por influenciá-lo nas leituras, Agenor, meu querido. Leia Gogol, leia Nabokov. É puro prazer.
Acho que eu poderia ter selecionado uma música mais apropriada, mas não consegui. Na próxima eu acerto.
Até a próxima semana.
Pode comer o POCKET por querer mesmo. :))))

Um grande beijo.
De agenor a 9 de Setembro de 2009 às 00:50
A sua autorização para eu comer o POCKET fez-me lembrar aquele poema da Natália Correia, onde ela termina dizendo:

«Sou uma impudência a mesa posta
de um verso onde o possa escrever
ó subalimentados do sonho !
a poesia é para comer.»

:-)
Outro beijo para si
De marie tourvel a 9 de Setembro de 2009 às 12:15
Bárbaro, querido. ;)

Mais beijos.
De Fatos & Fotos de Viagens a 10 de Setembro de 2009 às 13:52
Estou espantado com a facilidade com que se pegam fotos de MINHA autoria e a colocam NESTE blog sem sequer citar a fonte, sem permissão e sem autorização. É vergonhoso ROUBAR imagens de terceiros e as publicar num sítio na Internet desta maneira acintosa. Uma VERGONHA!

Foram extraídas do MEU BLOG - “Fatos & Fotos de Viagens”-
http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2007/9/3/istambul-onde-o-ocidente-encontra-o-oriente.html

Em “De Istambul, com amor” (publicado aqui em Sábado, 5 de Janeiro de 2008) foram usadas fotos de minha autoria e propriedade, protegidas por leis internacionais de Direitos Autorais, as quais encontram-se registradas e publicadas em

http://www.flickr.com/photos/interata/sets/72157605959595162/


Exijo a IMEDIATA retirada das imagens a fim de que não seja obrigado a tomar medidas judiciais cabíveis decorrentes de Direitos Autorais quebrados. Estas fotos foram INDEVIDAMENTE obtidas e copiadas do MEU blog e SEM pedido prévio, consequentemente SEM autorização.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds