Quinta-feira, 10 de Setembro de 2009

Semibreves

Ana Vidal

 

 

 

De Galicia, con amor.

Hasta mañana, amigos!

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
15 comentários:
De Fatos & Fotos de Viagens a 10 de Setembro de 2009 às 13:50
Estou espantado com a facilidade com que se pegam fotos de MINHA autoria e a colocam NESTE blog sem sequer citar a fonte, sem permissão e sem autorização. É vergonhoso ROUBAR imagens de terceiros e as publicar num sítio na Internet desta maneira acintosa. Uma VERGONHA!

Foram extraídas do MEU BLOG - “Fatos & Fotos de Viagens”-
http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2007/9/3/istambul-onde-o-ocidente-encontra-o-oriente.html

Em “De Istambul, com amor” (publicado aqui em Sábado, 5 de Janeiro de 2008) foram usadas fotos de minha autoria e propriedade, protegidas por leis internacionais de Direitos Autorais, as quais encontram-se registradas e publicadas em

http://www.flickr.com/photos/interata/sets/72157605959595162/


Exijo a IMEDIATA retirada das imagens a fim de que não seja obrigado a tomar medidas judiciais cabíveis decorrentes de Direitos Autorais quebrados. Estas fotos foram INDEVIDAMENTE obtidas e copiadas do MEU blog e SEM pedido prévio, consequentemente SEM autorização.
De Ana Vidal a 10 de Setembro de 2009 às 23:32
As fotografias já foram retiradas, como poderá verificar.
De Luísa a 11 de Setembro de 2009 às 14:07
Hasta, Ana!
P.S.: A música é giríssima. Tem o ritmo perfeito. :-)
De rita ferro a 11 de Setembro de 2009 às 15:41
Não há clavículas como as galegas!
De Ana Vidal a 12 de Setembro de 2009 às 00:25
Clavículas? Ah, está bem. Mas se provasses o polvo e o salpicão de mariscos... :-)
De Ana Vidal a 11 de Setembro de 2009 às 16:38
Também gosto imenso, Luísa. Como de quase tudo o que canta a Ana Belén, aliás.
:-))
De fugidia a 11 de Setembro de 2009 às 23:02
Hasta mañana Ana.
Bom regresso :-)
De Ana Vidal a 16 de Setembro de 2009 às 00:48
Obrigada, Fugi.
Um beijo :-)
De meunikaki a 15 de Setembro de 2009 às 08:54
Regressado de férias! Que giro! Na Galiza! Espero que se tenha divertido...
Quanto a comezainas, prefiro o salpicón de cigalas e fico sempre aguado quando não como chipirones à maneira (e mesmo quando os como, que quero mais). e, claro, à sobremesa, tetilla com membrillo!
A música é o que é: não é o meu ideal...
De meunikaki a 15 de Setembro de 2009 às 16:10
Retomando o fio à meada, pequeno almoço tomado, almoço resolvido, com um belo sol pelo lado (e não pela frente... tenho uma parede).
A música é o que é: não é o meu ideal..., pois não, o meu ideal é a letra, desta gostei :-)
De Ana Vidal a 16 de Setembro de 2009 às 00:51
Não quero que lhe falte nada, querido Poliss...
:-)
De Anónimo a 15 de Setembro de 2009 às 16:21
Siento tu mano fría
correr despacio sobre mi piel
y tu pecho y mi pecho y tu desnudez.
Ya olvido reproches que imaginé.

Vente conmigo al huerto
que están las rosas
queriendo ver la promesa
que has roto para volver
y así creer lo que les conté.

Dije que te quería
como a nada en el mundo.
Que seguía tus pasos,
tu caminar como un lobo en celo
desde mi hogar
con la puerta abierta de par en par,
de par en par.

Que tenía en penunbras
nuestro rincón
en aquel salón con dos cubiertos
y tu canción
y con tus flores en el jarrón.

Siento tu mano tibia
que palmo a palmo besa mi piel
y tus brazos me enredan hoy como ayer;
en este nuevo día vuelvo a creer.

Vente conmigo al puerto
que hay una barca en el malecón
con tu nombre pintado secando al sol,
con tu mano grabada junto al timón.

Sabes que te quería
como a nada en el mundo
Que seguía tus pasos,
tu caminar como un lobo en celo
desde mi hogar
con la puerta abierta de par en par,
de par en par.

Que tenía en penunbras
nuestro rincón
en aquel salón con dos cubiertos
y tu canción
y con tus flores en el jarrón.

Quiero abrazarte tanto
con mis sentidos, con tanto amor
que no haya más sonido que nuestra voz
mi cuerpo en el tuyo a continuación.

Y yo andaré la tierra
como un romero buscando a un dios
y tendré tu regazo, tu comprensión
y una casa pequeña para los dos.

Sabes que te quiero
como a nada en el mundo
Que seguía tus pasos,
tu caminar como un lobo en celo
desde mi hogar
con la puerta abierta de par en par,
de par en par.

Que tenía en penunbras
nuestro rincón
en aquel salón con dos cubiertos
y tu canción
y con tus flores en el jarrón.
De Ana Vidal a 16 de Setembro de 2009 às 00:53
Obrigada pela contribuição, Anónimo.
De Anónimo a 16 de Setembro de 2009 às 00:58
Não tem de quê. O Anónimo também quer que não falte nada ao Seunikaki :-)
De Ana Vidal a 16 de Setembro de 2009 às 01:33
lol

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds