Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

Azinhagas da memória

Manuel Fragoso de Almeida

 

 

Que grande azáfama ia naquele princípio de tarde pela rua da minha avó!

 

O caso não era para menos. No meio da tarde daquele mês de Setembro tínhamo-nos lembrado de fazer uma burricada, ou seja, um passeio com piquenique, onde a deslocação até à quinta do primo Rui – o Retiro – seria feita de burro. Haveria burros para quase todos, embora alguns elementos da organização tivessem de ir de bicicleta para assegurar o habitual apoio logístico…

 

A rua da minha avó fervilhava de agitação porque era necessário fazer a distribuição dos burros, mas antes ainda aparelhá-los devidamente, prendê-los com cuidado para não haver fugas inesperadas, ir dando água aos mais sedentos porque o calor apertava… e claro, gozar com o panorama e as peripécias.

 

A Josefa e o António Tomás não estavam nada contentes, porque muitos dos animais estavam mesmo em frente da casa deles, que ficava mesmo junto da cavalariça dos meus avós. Mas os cachopos da rua estavam deliciados e batiam palmas de cada vez que conseguiam que o burrinho do Ti Camilo se empinasse, o que não era difícil porque ele estava viciado na habilidade. Hoje, até a Tá Ventura assomava à porta da sua taberna para ver o que se passava, embora, com o seu ar rabugento, fosse sol de pouca dura. Rapidamente se recolhia, afastando as ripas de plástico e resmungando com a barulheira que fazíamos com os animais e a vozearia de toda a malta.

 

Antes da partida, o meu irmão e o Joaquim António, os organizadores encartados nas artes equídeas, fizeram o solene aviso: “As burras têm sempre de ir atrás” – havia algumas delas que estavam “saídas” (com o cio) – “e portanto nada de se porem a correr ou a parar a meio do caminho porque se não vamos ter problemas…”

 

O passeio até ao Retiro do primo Rui era felizmente todo feito pelas Devesas de Trás e pela azinhaga que nos levava para a Capela da Senhora da Graça, e por isso não haveria seguramente problemas com o trânsito. As únicas pessoas que encontrámos foram as lavadeiras que tinham ficado à conversa, nos tanques, à saída de Nisa. Por isso até correu tudo bem e com bastante organização (especialmente se comparado com outras organizações do mesmo tipo…).

 

Quer dizer, correu bem à ida e até chegarmos a Nisa, ao fim da tarde…

Na volta, resolvemos passar pelo matadouro e pela fonte que fica no largo, para os burros poderem beber um pouco de água, e subir depois até à porta da vila.  Aí é que a coisa se transtornou…

 

Os burros têm um vício danado, que tem de ser sempre contrariado: quando se apercebem que estão a chegar a casa, aceleram o passo e ficam muito mais teimosos que o costume. Talvez a organização não tivesse feito este aviso a tempo. Pior ainda, quando os primeiros chegaram ao largo da vila, antes da Igreja Matriz, deram com um funeral exactamente a sair da Igreja, e tiveram a excelente e recomendada intenção de parar. O problema é que, por um lado, os burros já tinham percebido que iam para casa, e depois aquela paragem inesperada tinha gerado a desorganização nas prioridades tanto recomendadas.

 

Já estão a ver, não é? O final foi quase de filme cómico italiano.

 

O enterro completamente destroçado, o Padre a fugir para dentro da Igreja novamente, as mulheres embrulhadas nos seus xailes negros de luto pesado, rezavam agora não pelo morto mas pela sua sorte, os cachopos delirantes corriam atrás dos burros e das burras, tentado agarrar uns e outros, para as meninas não se magoarem… e somente os homens que levavam o caixão tinham mantido a calma.

 

Lá estavam, encostados à parede sem arredar pé, limpando o suor da cara e da careca com os lenços todos amarrotados, e sussurrando por entre o silêncio que o momento obrigava: “Esta rapaziada é tramada! Já nem respeitam os mortos! Se já se viu uma coisa destas!”

 

publicado por Ana Vidal às 10:00
link do post
8 comentários:
De Luísa a 7 de Setembro de 2009 às 15:59
Que divertida burricada, Manuel! E que expressiva descrição: quase nos pôs a participar nela. Não conhecia algumas das características dos burros que refere, embora tenha pelo animal uma grande simpatia e o ache muito injustiçado, nomeadamente na comparação com o cavalo. E a minha simpatia reforça-se com esse detalhe da sua ansiedade por chegar a casa. Haverá mais humano do que isso? ;-)
De rita ferro a 7 de Setembro de 2009 às 16:15
Tchhhhh, Manel: o que o morto se deve ter rido!
De Manecas a 9 de Setembro de 2009 às 14:23
Não sei se foi riso, ou se morreu outra vez com o susto...

Bjs
De Manecas a 9 de Setembro de 2009 às 14:22
Pois é a ansiedade e alguma simpatia do bicho é uma característica que também me agrada.

Já a comparação com o cavalo...Além do mais nos signos chineses sou cavalo, por isso...

Bjs e obrigado
De Ana Vidal a 7 de Setembro de 2009 às 21:49
Um beijo de boas-vindas, Manecas!
Cá estamos todos outra vez para mais uma volta do calendário, não é?

Tantas burricadas que eu fiz, quando era miúda... Estas tuas memórias cruzam-se com as minhas, e é muito bom lembrar esses tempos. Obrigada por isso.

Mais um beijo, desta vez em galego.
:-)
De Manecas a 9 de Setembro de 2009 às 14:26
Pois...Eu sempre disse que era por isso que tu me convidaste a escrevenhar aqui. Com as minhas histórias revives as tuas...

Um beijinho miudinha!

PS - Deixando a nacionalidade do beijo por tua conta, obviamente...
De Fatos & Fotos de Viagens a 10 de Setembro de 2009 às 13:52
Estou espantado com a facilidade com que se pegam fotos de MINHA autoria e a colocam NESTE blog sem sequer citar a fonte, sem permissão e sem autorização. É vergonhoso ROUBAR imagens de terceiros e as publicar num sítio na Internet desta maneira acintosa. Uma VERGONHA!

Foram extraídas do MEU BLOG - “Fatos & Fotos de Viagens”-
http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2007/9/3/istambul-onde-o-ocidente-encontra-o-oriente.html

Em “De Istambul, com amor” (publicado aqui em Sábado, 5 de Janeiro de 2008) foram usadas fotos de minha autoria e propriedade, protegidas por leis internacionais de Direitos Autorais, as quais encontram-se registradas e publicadas em

http://www.flickr.com/photos/interata/sets/72157605959595162/


Exijo a IMEDIATA retirada das imagens a fim de que não seja obrigado a tomar medidas judiciais cabíveis decorrentes de Direitos Autorais quebrados. Estas fotos foram INDEVIDAMENTE obtidas e copiadas do MEU blog e SEM pedido prévio, consequentemente SEM autorização.
De Manecas a 11 de Setembro de 2009 às 10:42
Caso se refira à foto que a Ana Vidal utiliza para ilustrar os meus escritos, e que apresenta uma das ruas da vila de Nisa, está redondamente enganado.

A fotografia não é de sua autoria, e posso demonstrá-lo quando quiser, mostrando-lhe o respectivo original.

Cmps

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds