Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

Semibreves

Ana Vidal

 

Amar, amar perdidamente...

 

Desengane-se quem pensou que o discurso político em Portugal está esgotado. Bem sei que quase tudo já nos foi prometido e depois negado, bem sei que os programas e declarações de intenção não nos arrancam já mais do que um encolher de ombros enfastiado e descrente, bem sei que um irreprimível bocejo é a nossa resposta mais frequente à previsibilidade dos debates eleitorais.

 

Mas... atenção, muita atenção: a zona onde vivo acordou um dia destes com uma ideia nova, fresca, inesperada, brilhante. Há uma sorridente senhora do PS que promete ensinar-nos a... AMAR! Isso mesmo, leram bem. A nova Florbela não explicou ainda como pretende fazê-lo, é certo. Ficamos sem saber se vai fundar uma nova seita religiosa, abrir um bar de alterne, uma sex shop ou um motel de estrada (já há alguns por aqui, e por sinal o outdoor que apregoa as maravilhas de um deles está a poucos metros de um dos cartazes da criativa candidata do PS) ou se irá ministrar cursos práticos de kamasutra aplicado, mas alguma ideia estará por detrás daquele sorriso confiante. O penteado, a idade, a pose, a roupa, apontam para uma solução respeitável. Mas o sorriso é maroto e há ali um dentinho desalinhado que me deixa inquieta. O que será que vai na cabeça de Leonor Coutinho? Como será que ela nos quer pôr a amar melhor do que até aqui? E porque achará a senhora que em Cascais se ama pouco, ou mal? Tenho pena de já não votar em Cascais. Juro que lhe daria o meu voto, só para ver este enigma resolvido.

 

 

(Agora a sério: será possível que ninguém se tenha apercebido de que este slogan perde completamente o efeito de trocadilho quando passa da expressão oral à escrita? Se a ideia era sugerir que o concelho de Cascais, pela mão do PS, vai "saber a mar" por mais cuidados com o ambiente, menor poluição, melhor qualidade de vida, sei lá... a verdade é que, da mensagem, fica só o ridículo de uma promessa que mais parece saída de um pastor da IURD, para não dizer pior. Entretanto, Capucho agradece e dorme mais descansado.)

 

Também no Delito de Opinião

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:53
link do post
23 comentários:
De francesco a 4 de Setembro de 2009 às 11:59
Pode ser um enigma. Mas ainda tem espaço para salvar…
Cascais vai saber amar o seu dinheiro.
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 15:25
Essa é que eu não percebi, Francesco. Explique-se lá melhor... dinheiro?
De Helena Sacadura Cabral a 4 de Setembro de 2009 às 12:12
Querida Ana tem toda a razão. Até para slogans e trocadilhos é preciso ter arte e engenho. Se não ficam "trocadalhos"!

Abraço
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 13:37
LOL. Nem mais, Helena!
Um beijo
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 15:26
Vejo que o prolema de identidade (aqui na caixa de comentários, claro) já está resolvido. Boa!
De cns a 4 de Setembro de 2009 às 12:34
Mesmo o " saber a mar" parece uma infeliz intenção de transformar Cascais numa marisqueira gigante. ..

De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 16:10
Pois é, Cristina, nem essa hipótese se safa.
:-)
De Pedro a 4 de Setembro de 2009 às 13:20
Adorei a imagem (a de cima), vou "roubar". :)

Do resto do post concordo e fico só com um sorriso e vontade de descobrir esse outdoor para ver o do Motel que deve ser bem mais interessante.

Se isto fosse o facebook clickava no botão "like" :)

De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 15:30
Este cartaz está por todo o lado num raio de alguns quilómetros em volta de Cascais, Pedro. O do Motel também, pelo que devem cruzar-se mais do que uma vez. E o mais engraçado é que o segundo tem um slogan parecido: "Amar faz bem à saúde". Ficam cómicos, perto um do outro.
:-)
De Pedro a 8 de Setembro de 2009 às 20:26
Ana,

Só para deixar uns links cheios desses outdoors carregados de inspiração politica! :-)

Este de Cascais também devia lá estar...

http://imagensdecampanha.blogs.sapo.pt/

http://omeioeamensagem.blogspot.com/

http://avenidacentral.blogspot.com/search/label/Outdoors

De Ana Vidal a 11 de Setembro de 2009 às 12:06
Obrigada, Pedro. Realmente, é inacreditável a falta de imaginação e de sentido de oportunidade!
De Luísa a 4 de Setembro de 2009 às 16:51
Ana, aquele dentinho desalinhado prenuncia, de facto, muita maroteira! Pessoalmente, não sei se Cascais precisa de aprender a saber amar. Só sei que, de há uns tempos a esta parte, a gente está a precisar de aprender a saber amar Cascais. ;-)
De rita ferro a 4 de Setembro de 2009 às 16:54
Ahahahahaah, Luísa, magistral!
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 17:17
Isso é uma grande verdade, Luísa! ;-)
De espumante a 4 de Setembro de 2009 às 17:24
O dente, vizinha, o dente! Aquele dentinho maroto pode ter segredos que um vilgar Cascaense desconheça. Cada vez que vejo o cartaz (e vejo-o todos os dias) fico numa indecisão extreme. Ou mando uma pedrada ao cartaz ou vou ao dentista. É que não se faz. Pôr aquele dentinho ladino a sorrir-nos em cada esquna da paróquia gera reflexões absurdas sobre os verdadeiros conceitos de beleza. Ou sobre como se deve amar :)
Quanto ao trocadilho, e falando a sério, é evidente que a expressão oral e escrita altera aquilo tudo. Mas será que os assessores percebem? Ou queriam mesmo era mostrar o dentinho?
Beijinho (com os dentinhos bem tapados :))))) )
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 17:35
Ora, Nelson, uma mulher que nesta idade ainda se propõe ensinar o kamasutra, ainda vai muito a tempo também de usar um aparelho para corrigir o dentinho desalinhado! Mas será que é esse dentinho o trunfo secreto dela para Cascais? As irregularidades sempre foram um poderoso afrodisíaco... ;-)
Um beijo, vizinho!
De espumante a 4 de Setembro de 2009 às 17:25
no vilgar cascaense, leia-se, naturalmente, vulgar... deve ter sido do dente :))
De Ana Vidal a 4 de Setembro de 2009 às 17:35
lol
De imprevistoseacasos a 5 de Setembro de 2009 às 13:52
Olá Ana!

Bom, de facto estranho a falta de senso de quem pensa o texto para a candidata a Cascais. A própria deveria saber que o trocadilho, ou trocadalho :), não funciona.
De qualquer forma faz-nos falar sobre ela. Não é esse o objctivo da mensagem publicitária ou, no caso, da propaganda política?
Já me fez rir com este post. ..
Um beijo da Fernanda
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2009 às 14:23
Rir é o que nos resta, com esta política de anedota que nos rodeia... que sirva ao menos para isso.

Um beijo também para si, Fernanda! Gosto de vê-la por cá, sem si esta Porta não é a mesma.
:-)
De imprevistoseacasos a 5 de Setembro de 2009 às 14:55
:) Obrigada Ana.
Sem a Porta, os nossos dias são bem mais pobres.
A Rita falava de tertúlia num outro dia. Penso que a Ana é uma mulher de cultura, por isso certa, para a dinamizar...

Fernanda
De Ana Paula Motta a 6 de Setembro de 2009 às 04:55
E eu pensando que só cá por essas terras era possível um slogan desses. Em minha cidade a prefeita (não por acaso uma dessas que fazem do discurso religioso neo-cristão mais um meio de caçar votos) tem como lema:"Campos, minha cidade,meu amor". Lamentável, mas o mal gosto atravessou o mar...
De francesco a 6 de Setembro de 2009 às 10:47
A Ana Vidal já viu a que preço está o camarão da costa? Esse é que sabe a mar!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds