Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

E digam lá se a música não é uma linguagem universal e intemporal...

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 17:42
link do post
18 comentários:
De agenor a 23 de Julho de 2009 às 18:02
«So, Annie Are You OK
Are You OK, Annie
Annie Are You OK?»
:-)
De Ana Vidal a 23 de Julho de 2009 às 18:11
I'm fine, thanks... Aggie? :-)
De aggie [antes agenor] a 23 de Julho de 2009 às 20:17
«Mignon», esse «aggie». Acho que vou adoptar! Obrigada :-)

De Ana Vidal a 24 de Julho de 2009 às 11:20
:-))
De mike a 23 de Julho de 2009 às 19:50
Não é nada, Ana. A música é uma coisa prescindível, não faz falta para nada e existe para ser o ganha pão de artistas incompetentes que se aproveitam da nossa ignorância.
(Ena, talvez com este comentário te veja no corredor da morte... lol)

Bom clip e a música é, de facto, uma linguagem universal e intemporal. :)
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2009 às 00:54
Saved by the bell, Mike.
(Bell? Bem, parece que me enganei no post...)
De ritz_on_the_rocks a 23 de Julho de 2009 às 20:37
.. eu a tentar que o WE mexa um braço ou pisque um olho.
A sequência de imagens dá tanto trabalho que ver este 'arranjo' merece uma nota especial.
Boa Ginja.
Bjs
Ginja
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2009 às 00:56
Outro, Ginja.
Ginja

(gostava de saber o que vai na cabeça das pessoas ao ler estes comentários... devem achar que fomos a Óbidos e apanhámos uma piela de ginjinha) lol
De fugidia a 24 de Julho de 2009 às 00:11
Sim.
Tal como a dança :-)))
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2009 às 00:57
Sim, a dança também é universal, Fugi. :-)
De Ping-pong a 24 de Julho de 2009 às 12:21
"A música é ar sonoro" disse Busoni. Tudo o mais que se pode dizer refere-se às diferentes reacções que a música evoca nas pessoas: como sendo poética, ou sensual, ou espiritual, ou emocional ou formalmente fascinante; as possibilidades são inúmeras. Uma vez que a música é tudo e nada ao mesmo tempo também se pode abusar dela.
Não gostei desta associada à elegância do Fred Astaire e à sensualidade sobretudo da Cyd Charisse, que eu achava fantástica.
Dizia a Isadora Duncan "se eu pudesse dizer-lhe o que desejo transmitir não haveria necessidade de dançar".
Sem dúvida que a música é a melhor escola para a vida e o meio mais eficiente para dela escapar.
Tenho pena de não ter podido estar aqui ontem mas ao menos fica o registo e a intenção. Saudações musicais
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2009 às 01:02
Saudações para si também, Ping-pong.
Eu gostei desta ousadia musical. Mostra como é possível cruzar géneros e estilos completamente diferentes sem perder ritmo e harmonia.
A Cyd Charisse e a Leslie Caron estão fantásticas, não é? Do Fred, nem preciso de falar.

Ar sonoro? Belíssima expressão!
De Luísa a 24 de Julho de 2009 às 15:33
Boa música, melhor ritmo, excelente coreografia, óptimo momento. Obrigada, Ana. :-)
De Ana Vidal a 25 de Julho de 2009 às 01:03
At your service, milady! :-)
De GJ a 26 de Julho de 2009 às 13:53
Deve ser deformação profissional, mas nunca gosto de comentar um trabalho à primeira. Tenho de olhar para ele várias vezes. Aqui estou, hoje, para lhe dizer que é interessante esta mistura de técnicas e de imagens. O real e o que pode ser cada vez mais esbatido. Já não sei se existem intangíveis...
Ah, se gostei? Tenho reservas enquanto conceito. Gostei do projecto final.:)
De Ana Vidal a 26 de Julho de 2009 às 19:03
Por uma opinião fundamentada e profissional vale sempre a pena esperar, GJ! Eu, como já disse, acho piada ao conceito e gosto do resultado final, mas é claro que as coreografias que aqui vemos foram concebidas para outra música, e com essa é que "casam" na perfeição.
De GJ a 26 de Julho de 2009 às 20:33
Estou de acordo, Ana. A questão é mesmo o "casar"... mas são projectos diferentes que nos levam a equacionar novas ilusões. ;)
bjs
De GJ a 26 de Julho de 2009 às 13:57
Faltou acrescentar que a música é intemporal, sim!)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds