Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

Semibreves

Ana Vidal

 

 

 

Deixa-te de porquês. O quando, o onde
e o como?… Não mais que literatura!
Despe de vez o medo que se esconde
entre as frias cambraias da lisura.

Ou então não fales de paixão.
Chama-lhe, se quiseres, melancolia.
Que jamais o tropel de um coração
bate ao compasso da diplomacia.

Que sabes tu das ávidas razões
que a razão desconhece? Da contenda
que nem sempre se trava nos salões
e quase nunca tem punhos de renda?

Não aprendeste nada sobre gente?
E Shakespeare, e Mozart, e Fellini?
Alguém te sonha chocolate quente,
enquanto deitas gelo no martini!

 

 

(Imagem: René Magritte)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 07:30
link do post
31 comentários:
De Manecas a 20 de Julho de 2009 às 07:36
Muito Bom. Como sempre, Aninhas !

Beijinhos!
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 15:41
Obrigada, Manecas. Sempre querido.
Beijinhos
De fugidia a 20 de Julho de 2009 às 07:57
Uauuu!, gostei muito, sobretudo do «alguém te sonha chocolate quente enquanto deitas gelo no martini»!
(não obstante, o gelo também tem as suas... propiedades ;-) )

Só não consigo ver a imagem :-(

Beijos e boa semana, Ana :-)
De fugidia a 20 de Julho de 2009 às 09:23
(já consegui)
:-)
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 15:44
Ah, pois tem, Fugi! Geralmente, essas propriedades costumam durar nove semanas e meia... ;-)

Bjs, boa semana também para ti. Com algum gelo alternado com muito chocolate quente, se possível.
De imprevistoseacasos a 20 de Julho de 2009 às 08:47
Olá Ana
O que sempre admirei na sua escrita, desde que a conheço, é a capacidade de dar tons às palavras e colorir um texto sempre surpreendente.
Shakespear, Mozart e Fellini...que ramalhete mais desafiante :)
Gostei muito, mais uma vez.
Beijinhos
Fernanda
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 15:47
O ramalhete é de luxo, sem dúvida, e tem muito para nos ensinar. Basta perdermos o medo, não é?
Beijinhos para si, Fernanda.
De Ping-pong a 20 de Julho de 2009 às 12:11
O desespero é o sítio onde não há porquês, dizia o Primo Levi.
"Criaturas que amam sem olhos,
com um sentido único de infinito ondulado,
e em grandes montes se reúnem
para serem comidas pelos pássaros.
Peço a dimensão única
dos pequenos e planos animais,
para contar coisas cobertas de terra
sob a dura inocência do sapato."
F.G.Lorca
De rita ferro a 20 de Julho de 2009 às 15:00
Ana, não sei se já te deste conta da magnitude de dois novos comentadores no teu blog: Ping-Pong e Agenor. Sei quem são e ainda têm muito para dar :-))

Quanto ao versos, não te elogio; ou ainda dizem que não nos amamos :-))
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 16:10
Deixa que digam, que pensem, que falem
deixa isso p'ra lá, vem p'ra cá
o que é que tem?
Eu não estou fazendo nada,
você também...

:-))))))

Já me dei conta deles, sim. São muito bem-vindos a esta Porta, basta que sejam trazidos por ti.
De mike a 20 de Julho de 2009 às 20:10
Shiiii... ai que vergonha... (muitos risos)
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 23:59
LOL
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 15:55
Lorca bem podia estar neste "ramalhete", como lhe chama a nossa Fernanda. De intensidade e paixão percebia ele como poucos.
Quanto à frase do seu primo Levi (estou a brincar, claro), não posso estar mais de acordo com ela: uma vida sem interrogações é um deserto existencial, logo, o maior desespero imaginável. Mas o que quero dizer é que, no amor, demasiados porquês são sempre um entrave e impedem uma entrega por inteiro. E essa é, para mim, a única forma de amar digna desse nome.
Obrigada por aparecer, Ping-pong.
Venha sempre.
De agenor a 22 de Julho de 2009 às 15:25
"Olé! Isso tem duende!"
F.G.Lorca

http://www.grupotempo.com.br/tex_lorca.html
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2009 às 17:28
Muito obrigada pela interjeição, Agenor, que muito me envaidece! Saber que saem "sons negros" deste meu poemeto (evocador de Beltane ou de outros Sabbaths?) é um enorme elogio. E uma responsabilidade... :-)

E obrigada também pela sugestão deste fabuloso texto do Lorca, só infelizmente prejudicado pela tradução para português do Brasil (porque não estamos habituados a ler coisas como "o duende é um poder e não um obrar, é um lutar e não um pensar"...)
De Dulce a 20 de Julho de 2009 às 12:17

Lindo!
E que tal umas gotas de martini no chocolate quente? ;)

De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 15:57
Uma adepta da temperança, Dulce?
Está bem, desde que haja sempre mais chocolate do que martini... ;-)
De Luísa a 20 de Julho de 2009 às 14:06
Gostei imenso, Ana. E a ligação com os Magritte são sempre brilhantes. Embora, neste caso, me tenha deixado com pena dessa figura «diplomática», que tão cautelosa, desajeitada e ansiosamente se aproxima para nos oferecer uma rosa. Não haverá um pouquinho de chocolate quente no seu coração inseguro? ;-D
De Ana Vidal a 20 de Julho de 2009 às 16:06
Para bem dele, espero que sim, Luísa. E se eu conhesse pessoalmente essa figura diplomática e insegura, dir-lhe-ia que a pose exagerada joga sempre a desfavor de um sedutor. Nem a rosa o safa, se não for mais ousado e intenso, e menos cauteloso.

(Estas quadras são uma brincadeira que fiz há 3 anos para incluir, como contribuição pessoal, na antologia de "poesia gastronómica" que organizei e a que chamei "A poesia é para comer". Como amante incondicional de chocolate, tinha de escolhê-lo como tema...) :-)
De mike a 20 de Julho de 2009 às 20:13
Pois devo dizer-te, Ana Vidal, mesmo correndo o risco de ser massacrado nos próximos tempos, que gostei. E olha que para quem não gosta de poesia... mas, bem vistas as coisas, o que escreveste é prosa... poética e bem escrita e sentida, mas é prosa. (risos)
Parabéns, miúda. :)
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2009 às 00:01
Se te dá gosto chamar-lhe prosa, será então prosa!
Obrigada pelo elogio: quanto mais raro, mais vale. E eu sei bem que não és muito chegado à... hum... à prosa. ;-)
De mike a 21 de Julho de 2009 às 00:19
lol
De ritz_on_the_rocks a 20 de Julho de 2009 às 21:24
OLé!!!!
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2009 às 00:07
:-))
De GJ a 21 de Julho de 2009 às 13:13
A seguir a estas semi-breves quem é pode escrever com elegância...
Muito bom, Ana.
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2009 às 15:16
Olha quem fala, a rainha da elegância... :-)
Bjs, GJ.
De marie tourvel a 21 de Julho de 2009 às 15:16
Simplesmente lindo!

Beijinhos, querida.
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2009 às 17:48
Beijinho, Marie.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds