Sábado, 23 de Junho de 2007

Marly de Oliveira


De novo a poesia brasileira no feminino, desta vez para uma triste notícia: a da morte de Marly de Oliveira, poeta talentosa e injustamente pouco divulgada, mesmo no seu país (pelo menos junto do grande público). Em Portugal, nem se fala.
Talvez tenha ficado mais conhecida por ter sido casada com João Cabral de Melo Neto, poeta maior do Brasil. Mas ela foi muito mais do que isso: tinha voz própria, publicou vários livros de poesia e recebeu mesmo o conceituado prémio Jabuti, com "O mar de permeio" (1998).
Morreu a 1 de Junho, aos 72 anos.
Aqui deixo uma matéria da crítica literária Maria Elisa Guimarães sobre a poeta, no seu blog Sub Rosa.
Para que conste.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 17:42
link do post
5 comentários:
De av a 25 de Junho de 2007 às 15:25
mad:cabra!
De Mad a 25 de Junho de 2007 às 13:58
Well, well well, novas colegas de além-mar? A maninha tá-se a tornar uma estrela... qualquer dia vejo-te a fumar!
De Anónimo a 24 de Junho de 2007 às 11:08
Olá, Meg! Obrigada pelas suas palavras sobre os meus blogs. Também gostei muito do seu e voltarei sempre, vai para a minha lista dos eleitos. Ainda bem que gostou, e volte sempre. Quanto a Marly de Oliveira não fiz mais do que prestar-lhe uma justa homenagem. O mais importante é que haja alguma divulgação dos valores da nossa língua comum, não é? São tão desprezados, infelizmente...
Que bom tê-la conhecido.Vamos mantendo o contacto, sim?
Se quiser uma comunicação mais pessoal, o meu mail é: anavidal7@gmail.com
Um beijo
Ana
De Meg a 23 de Junho de 2007 às 22:45
Errata e adenda:
Cometo muitos erros de digitação, por favor, releve, sim?
O mais gritante é aquele em que quis dizer: "..à maneira dos gregos".

Boa noite!
M.
De Meg a 23 de Junho de 2007 às 22:42
Ólá AV
Perdoe-me responder assim com tanta pressa: é apenas para deixá-la saber que fiquei encantada com seu blog e com o que escreveu sobre Marly e, sobretudo o quanto me tocou a menção ao meu post.
Post que ficou prejudicado, pois assim "à ultima da hora", (expressão bem portuguesa, não é?) o costernamento era o que mais importava naquele momento, mormente para mim que há tempos encetava matéria mais alentada, tal como mer ecia.

Então, podemos falar mais de Marly, vejo que vc tem o belo livro de onde extraí o excerto de poema.
---
Queria dizer também que estou absolutamente encantada em constatar o quão excelente são seus *dois* blogs:-)
E fica, pois, â maneira dos gegos, marcado um encontro para depois, está bem?

Obrigada pelos Parabéns, sim , hoje é o dia dos meus anos, e acho bom presságio receber os seus votos.
Um "desapressado" abraço, gentil e agradecido.
Meg
P.S Ah! querida AV, aqui no Brasil se calhar, muitos nem sabem da ligação dela -que era excelente crítica -com João Cabral, pois que também não conhecem o Poeta.
Mas, fazemos o que podemos, não é mesmo?
M.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds