Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

Lapsus Linguae

João Paulo Cardoso

 

 

O Homem na Lua 

 

O homem chegou à Lua, já lá vão 40 anos, mas são ainda inesquecíveis as palavras de Lance Armstrong, vencedor da última etapa da corrida espacial entre os Estados Unidos e a União Soviética:

 

"Este é um pequeno passo para o homem, mas um salto gigantesco para a humanidade.

Querida, deixei a luz do candeeiro da mesa de cabeceira acesa."

 

Lance Armstrong é amiúde confundido com Louis Armstrong, mítico jazz singer do século XX e até com um tal de Neil Armstrong, um desconhecido talhante do Arkansas, conhecido como "o primeiro homem na rua".

Isto depois de cinco meses sem pagar a renda do estabelecimento.

 

Chegar à paisagem lunar de bicicleta parecia, de facto, uma proeza irrepetitível.

Até que, nos anos 80, Elliott e o seu amigo ET repetiram a dose.

Eu próprio já lá fui duas vezes montado numa motoserra.

 

A Lua fica a 384 mil e 405 quilómetros da Terra, ou seja, é ainda mais longe do que ir de Lisboa a Vila Franca de Xira, mas sem portagens.

 

Não se pense, no entanto que se trata de uma SCUT, uma estrada sem custo para o utilizador.

Basta ver o que o milionário/parolo português, Mário Ferreira, vai ter que pagar para lá dar uma voltinha e fugir da mulher.

O que é que aconteceu ao "Querida, vou ali comprar tabaco" ?

 

Mais fácil é compreender a Lua do que uma mulher.

O satélite natural da Terra só tem quatro fases; de quando em vez volta a ser nova e, mesmo quando cheia, é elogiada por poetas e lobisomens, revitalizando a auto-estima.

 

Os leitores mais desbocados e brejeiros deste blog (se os houver) poderão sempre acrescentar que a Lua também tem mais buracos.

É verdade.

Mas há coisas que nunca mudam mesmo com (aparente) falta de gravidade:

A maior parte deles continua a ter acesso interdito, anda-se a saltitar ali há volta e pouco mais.

 

As diferenças entre o sexo feminino e a Lua são de tal ordem, que nenhuma mulher se disponibilizou para lá ir na primeira viagem.

Vamos que a bela da astronauta parte um salto.

Há que convir que um sítio sem 77 sapatarias em centros comerciais não tem nada de apelativo.

 

E é por estas e por outras que a Sonae ainda não tem um Full Moon Shopping Center ou um Forum Marte.

Preferiu antes investir em Tróia e os preços para lá chegar são, cada vez mais, de outro planeta.

É que nem de bicicleta...

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 07:30
link do post
10 comentários:
De JC a 17 de Julho de 2009 às 09:06
Eu vi aqui um grandessíssimo princípio de injustiça, porque a verdade verdadinha é que já não se paga assim a tal de portagem para ir para Cila Franca de Xira, se se sair em Alverca e tal... E o Lance disse essas coisas todas porque nunca esteve cara-a-cara com o Neil, que na altura estava a aprender a tocar trombone de varas com o Louis. E a tal historinha do E.T:, valha-me Deus, muito mal explicadinha porque o Michael Jacson não apareceu de bicicleta com o coiso do capitão Gancho...
Já vi que isto está é tudo muito baralhado.
:)
De rita ferro a 17 de Julho de 2009 às 11:35
Curious: is this the original moonwalk dance technique?
De maf a 17 de Julho de 2009 às 20:05
lol, que texto mais divertido, vivo, caricato e bizarro. Dava tudo para ter visto a expressão da minha cara, à medida que ia avançando texto dentro (ou será texto fora ?). Comecei com espanto, sobrolho franzido, realizando que já lá vão, de facto, 40 anos e acabei com um sorriso rasgado, orelha a orelha. Este texto parece uma Salada Mista, gastronomicamente falando, e eu adoro saladas, rsrsrrsrsr
De mike a 17 de Julho de 2009 às 21:07
Ri com gosto, João Paulo. E eu acho que é mais fácil compreender a lua do que uma mulher porque elas têm várias luas. E agora vou de fininho antes que caia o Carmo e a Trindade.
De Luísa a 17 de Julho de 2009 às 22:54
Pois vá de fininho, vá, Mike. E leve o João Paulo consigo. Compreender a Lua é bem mais complicado do que compreender a mulher, porque é sempre mais complicado compreender o que reflecte a luz alheia do que o que tem luz própria. Ora essa! :-S

De Ana Vidal a 18 de Julho de 2009 às 01:25
Belíssima resposta, Luísa! Nunca me desilude...
Ora toma, Mike. O que dizes a isto, hein?
De maf a 18 de Julho de 2009 às 11:37
desculpem-me a intromissão, mas não posso deixar de tirar o chapéu a esta brilhante resposta da Luisa. É isso aí. A mulher tem luz própria e homem que não use óculos escuros arrisca-se a ficar ofuscado, lolol
De Luísa a 18 de Julho de 2009 às 19:16
Obrigada, Meninas. Temos de ser umas pelas outras. ;-)))))
De Ana Vidal a 18 de Julho de 2009 às 01:39
Fico a imaginar um Full Moon Shopping da Sonae, cheio de fatos de treino fluorescentes aos saltinhos pela falta de gravidade... um luxo, JP.
Divertes-me sempre.
De João Paulo Cardoso a 20 de Julho de 2009 às 11:25
Obrigado por todos os comentários, em especial os femininos.

É por causa das mulheres deste mundo que nós, os homens, andamos às vezes de cabeça na Lua.
Elas são, definitivamente, o nosso sol.

Beijos para as meninas e abraços para os meninos.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds