Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

A star is dead

Michael Jackson não era só aquela aberração estética que todos conhecemos. Não era só o eterno protagonista de atitudes polémicas, chocantes até, que o transformaram numa espécie de freak show ambulante. Não era só uma patética encarnação de Peter Pan. Era também um dançarino único e um músico cheio de talento.

 

Era também isto: 

 

 


 

Adenda: Reproduzo aqui um mail que recebi do João Paulo Cardoso, pedindo-me que não publique o post que me tinha enviado para hoje, por respeito à morte de Michael Jackson.


Peço-te que não publiques a crónica "Lapsus Linguae" esta sexta-feira. Entendo que seria desajustado face à morte de Michael Jackson, ainda mais porque já escreveste (e muito bem) sobre o assunto.
O Michael foi responsável por boas horas de música durante a minha adolescência, contribuindo para o fascínio que os anos 80 continuam a exercer sobre mim.
Sinto-me como se me tivessem tirado um brinquedo.


Sendo assim, a crónica fica reservada para o dia 03 de Julho.

E obrigada pelo "(e muito bem)", JP.

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 00:35
link do post
9 comentários:
De GJ a 26 de Junho de 2009 às 03:34
Era um menino a pedir atenção, que gostava de rir e de chorar.
De ritz_on_the_rocks a 26 de Junho de 2009 às 09:18
... era um ser muito especial...
De patti a 26 de Junho de 2009 às 13:42
E aqui vim ouvir a música de outro na voz dele...e isto é tudo tão comovente, Ana, esta noção de finito ...

Olha, estão ambas as estrelas no céu, com um anjo de Charlie que a eles se juntou também ontem.
De meunikaki a 26 de Junho de 2009 às 14:59
Lembro-me bem the "off the wall", que me fartei de ouvir, pese não achar nada de especial; não era o meu género de música. Apesar disso, eram do meu agrado, "Billy Jean" e "No one care about us" (acho que eram estes os nomes correctos das músicas).
Morreu uma criança de 5/7 anos: a fama cristaliza a idade mental e as crianças vão para o céu; e onde ele deve estar. Se duvidarem vejam a idade mental de Mick Jagger (18 anos?), por exemplo (acho que já disse isto a alguém, há não muito tempo...)
De Ana Vidal a 26 de Junho de 2009 às 15:29
Fartou-se de ouvir mesmo não achando nada de especial, Meunikaki?? Olá... temos aqui um masoquista! LOOOOOL
De meunikaki a 26 de Junho de 2009 às 19:49
o que não se faz em determinadas cisrcunstâncias! o pino? lol
De Ana Vidal a 26 de Junho de 2009 às 20:35
E faz-se muito bem, quando a causa merece... :-)
De Rita Ferro a 26 de Junho de 2009 às 17:34
O sucesso, esse escorbuto. Vade retro! Sempre achei que, nesse mundo vampiro, só Deus ou o diabo nos equilibra. Deve ter ficado pendurado entre um e outro e foi isso que o tramou. Pobre menino rico! Talvez assim o deixem em paz, os cães humanos! Talvez no céu não haja cores, como tanto quis.
De Ana Vidal a 27 de Junho de 2009 às 11:41
E talvez agora consiga ficar em paz consigo próprio. Espero que sim.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds